5 dicas para ajudá-lo a restaurar e manter sua saúde intestinal

As bactérias em seu intestino podem parecer uma coisa ruim, mas seu intestino realmente usa bactérias para processar alimentos em energia.

Chamamos essas bactérias úteis de probióticos. A maioria das pessoas já ouviu o termo em anúncios de iogurte, mas isso é tudo? O que são probióticos e o que eles significam para o seu corpo?

Tudo começa em seu intestino, o sistema do seu organismo responsável pela digestão. A digestão adequada é essencial para a sua saúde e os probióticos são essenciais para o seu intestino.

5 dicas para ajudá-lo a restaurar e manter sua saúde intestinal

Quando as bactérias estão fora de equilíbrio, isso pode causar problemas como:
  • Gás
  • Inchaço
  • Diarreia
  • Prisão de ventre
  • Dor abdominal e cólicas
  • Doenças autoimunes como fibromialgia, síndrome da fadiga crônica e diabetes
  • Doenças neuromusculares
  • Deficiência de B12
Se algum desses sintomas lhe parece familiar, é hora de você colocar a sua saúde intestinal no caminho certo. Aqui estão cinco dicas incríveis para promover a saúde e o bem-estar do intestino.

1. Tome um Probiótico de Qualidade

Em 1907, o Prêmio Nobel, Elie Metchnikoff introduziu o conceito de probióticos. Ele publicou um estudo inovador que relacionava a longevidade com o leite fermentado que continha Lactobacilli, uma cepa bacteriana que produz ácido láctico e ajuda a manter a microflora intestinal saudável.

Hoje, os suplementos de probióticos estão disponíveis em alimentos saudáveis, mercearias e lojas online. Ao escolher um probiótico, procure essas qualidades:
  • Os suplementos probióticos devem conter 5 a 10 bilhões de CFUs (unidades formadoras de colônias).
  • As pílulas encapsuladas são melhores do que os líquidos porque ajudam a bactéria a sobreviver ao ambiente ácida do estômago.
  • Várias cepas de bactérias (diferentes cepas oferecem benefícios diferentes - algumas ajudam com a digestão de fibra, algumas ajudam com a absorção de vitaminas, algumas ajudam a promover a regularidade intestinal).

2. Evite o uso excessivo de antibióticos

Os antibióticos matam bactérias. Embora isso inclua as bactérias ruins que podem te deixar doente, ela também inclui as boas bactérias que seu corpo precisa.

Essa interrupção da harmonia intestinal pode causar uma falta de diversidade entre as bactérias que certamente afetarão sua saúde.

3. Incorpore alimentos fermentados em sua dieta

Os alimentos fermentados podem introduzir boas bactérias no intestino, mas saiba que é melhor fazer o seu. As opções compradas no mercado geralmente são pasteurizadas, o que mata boas bactérias.

Alguns dos melhores alimentos fermentados para promover a saúde intestinal incluem:
  • Chucrute
  • Iogurte
  • Kefir
  • Kimchi
  • Molho de soja
  • Tempeh
  • Tofu fermentado
  • Kombucha

4. Coma menos açúcar refinado

Entre os muitos problemas causados pelo açúcar refinado (inflamação, ganho de peso, desequilíbrio hormonal ...), também promove o crescimento de bactérias ruins e altera o equilíbrio da flora intestinal.

5. Diminua seus níveis de estresse

Assim como a medula espinhal, os neurônios cobrem a parede intestinal onde enviam informações em todo o corpo.

A existência da conexão cérebro / intestino deixa claro que o estresse pode ser associado à saúde intestinal.

Quando estressado, seu cérebro envia mensagens para o intestino na forma de produtos químicos. Esses produtos químicos afetam o quão bem o seu intestino funciona.

5 táticas para reduzir o estresse e apoiar a saúde intestinal

1. Meditação

É incrível o quanto melhor você pode sentir sobre as coisas, se você apenas parar por algum tempo para parar, respirar e se concentrar. Se você precisa usar um mantra, faça-o!

2. Aromaterapia

A aromaterapia aproveita o poder dos óleos essenciais de origem vegetal. Muitas pessoas atestam que essa antiga prática tradicional ajuda a gerenciar o estresse.

3. Exercício

A atividade física afeta o estresse e o humor. Se você está se sentindo estressado, estar ativo pode ajudá-lo a superá-lo!

4. Dieta

O que você come pode ter um impacto significativo na sua saúde intestinal. Os alimentos que aliviam o estresse podem ajudar.

5. Rir

O riso pode aliviar o estresse, produzindo endorfinas e diminuindo o hormônio do estresse cortisol.
Encontre um amigo engraçado ou assista uma comédia para produzir uma risada de alívio. Seu intestino irá agradecer-lhe!

Os suplementos são uma excelente opção para manter um intestino saudável. Você pode encontrar suplementos individuais com base em suas necessidades específicas, mas optar por um pacote completo de suplementos de saúde intestinal pode economizar dinheiro.

O que você faz para manter um intestino saudável? Tem dicas de alívio do estresse? Deixe-nos saber nos comentários.

Referencias
  1. Exploring the Role of Gut Bacteria in Digestion
  2. Gas in the Digestive Tract
  3. Diet-Induced Dysbiosis of the Intestinal Microbiota and the Effects on Immunity and Disease
  4. Impacts of Gut Bacteria on Human Health and Diseases
  5. Gastrointestinal Flora and Gastrointestinal Status in Children with Autism -- Comparisons to Typical Children and Correlation with Autism Severity
  6. Gut Inflammation in Chronic Fatigue Syndrome
  7. The Gut Microbiome Shapes Intestinal Immune Responses during Health and Disease
  8. Gut Bacteria in Health and Disease
  9. Megaloblastic anaemia due to vitamin B12 deficiency caused by small intestinal bacterial overgrowth: possible role of vitamin B12 analogues
  10. Recycling Metchnikoff: Probiotics, the Intestinal Microbiome and the Quest for Long Life
  11. Genes and Molecules of Lactobacilli Supporting Probiotic Action
  12. Antimicrobial Resistance: Risk Associated with Antibiotic Overuse and Initiatives to Reduce the Problem
  13. Stress and the Gut: Pathophysiology, Clinical Consequences, Diagnostic Approach and Treatment Options
  14. Gut Feelings: The Emerging Biology of Gut–brain Communication
  15. Physical Activity, Stress Reduction, and Mood: Insight into Immunological Mechanisms

9 Efeitos colaterais de muita cafeína

Café e chá são bebidas incrivelmente saudáveis.

A maioria dos tipos contém cafeína, uma substância que pode aumentar seu humor, metabolismo e desempenho mental e físico (1, 2, 3).

Estudos também mostraram que é seguro para a maioria das pessoas quando consumido em quantidades baixas a moderadas (4).

No entanto, doses elevadas de cafeína podem ter efeitos colaterais desagradáveis e até perigosos.

A pesquisa mostrou que seus genes têm uma grande influência sobre a sua tolerância. Alguns podem consumir muito mais cafeína do que outros sem experimentar efeitos negativos (5, 6).

Além disso, indivíduos que não estão acostumados com a cafeína podem experimentar sintomas após consumir o que normalmente é considerado uma dose moderada (4, 7).

9 Efeitos colaterais de muita cafeína
Aqui estão 9 efeitos colaterais de muita cafeína.

1. Ansiedade

A cafeína é conhecida por aumentar o estado de alerta.

Ela funciona bloqueando os efeitos da adenosina, um produto químico cerebral que faz você se sentir cansado. Ao mesmo tempo, desencadeia a liberação de adrenalina, o hormônio "fight-or-flight" associado ao aumento da energia (8).

No entanto, em doses mais elevadas, esses efeitos podem se tornar mais pronunciados, levando a ansiedade e nervosismo.

De fato, o distúrbio de ansiedade induzido pela cafeína é uma das quatro síndromes relacionadas à cafeína listadas no Manual de Diagnóstico e Estatística de Transtornos Mentais (DSM), que é publicado pela American Psychiatric Association.

As ingestões diárias extremamente elevadas de 1.000 mg ou mais por dia foram relatadas como causando nervosismo, irritação e sintomas semelhantes na maioria das pessoas, enquanto que mesmo uma ingestão moderada pode levar a efeitos semelhantes em indivíduos sensíveis à cafeína (9, 10).

Além disso, as doses modestas causaram respiração rápida e aumentaram os níveis de estresse quando consumidos em uma sessão (11, 12).

Um estudo em 25 homens saudáveis ​​descobriu que aqueles que ingeriram aproximadamente 300 mg de cafeína experimentaram mais do dobro do estresse daqueles que tomaram um placebo.

Curiosamente, os níveis de estresse foram semelhantes entre os consumidores de cafeína normais e menos frequentes, sugerindo que o composto pode ter o mesmo efeito nos níveis de estresse, independentemente de você beber ou não habitualmente (12).

No entanto, esses resultados são preliminares.

O teor de cafeína do café é altamente variável. Para referência, um café grande contém cerca de 330 mg de cafeína.

Se você notar que muitas vezes se sente nervoso ou irritado, pode ser uma boa ideia observar sua ingestão de cafeína e cortá-la.

Resumindo: Embora doses de cafeína baixas a moderadas possam aumentar o estado de alerta, quantidades maiores podem levar à ansiedade ou irritabilidade. Monitore sua própria resposta para determinar o quanto você pode tolerar.

2. Insônia

A capacidade da cafeína para ajudar as pessoas a ficarem acordadas é uma das qualidades mais apreciadas.

Por outro lado, muita cafeína pode dificultar o suficiente sono restaurador.

Estudos descobriram que uma maior ingestão de cafeína parece aumentar a quantidade de tempo que demora a adormecer. Também pode diminuir o tempo de sono total, especialmente nos idosos (13, 14).

Em contrapartida, quantidades baixas ou moderadas de cafeína não parecem afetar muito o sono em pessoas consideradas "dormentes bons", ou mesmo aqueles com insônia auto relatada (15).

Você pode não perceber que muita cafeína está interferindo com seu sono se você subestimar a quantidade de cafeína que você está tomando.

Embora o café e o chá sejam as fontes mais concentradas de cafeína, também é encontrado em refrigerantes, cacau, bebidas energéticas e vários tipos de medicação.

Por exemplo, um energético pode conter até 350 mg de cafeína, enquanto algumas bebidas energéticas fornecem tanto como um colossal 500 mg por lata (16).

É importante destacar que a quantidade de cafeína que você pode consumir sem afetar o seu sono dependerá da sua genética e de outros fatores.

Além disso, a cafeína consumida no final do dia pode interferir com o sono, porque seus efeitos podem demorar várias horas a desaparecer.

A pesquisa mostrou que, enquanto a cafeína permanece no seu sistema por uma média de cinco horas, o período pode variar de uma hora e meia a nove horas, dependendo do indivíduo (17).

Um estudo investigou como o momento da ingestão de cafeína afeta o sono. Os pesquisadores deram a 12 adultos saudáveis ​​400 mg de cafeína seis horas antes da hora de dormir, três horas antes da hora de dormir ou imediatamente antes da hora de dormir.

Tanto o tempo que levou todos os três grupos a adormecerem e o tempo que passaram acordado à noite aumentou significativamente (18).

Esses resultados sugerem que é importante prestar atenção à quantidade e ao tempo da cafeína para otimizar seu sono.

Resumindo: A cafeína pode ajudá-lo a ficar acordado durante o dia, mas pode afetar negativamente a qualidade e a quantidade de seu sono. Corte o consumo de cafeína no início da tarde para evitar problemas de sono.

3. Problemas digestivos

Muitas pessoas acham que uma xícara de café pela manhã ajuda a mover suas intestinas.

O efeito laxante do café foi atribuído à liberação de gastrina, um hormônio produzido pelo estômago que acelera a atividade no cólon. Além disso, o café descafeinado mostrou produzir uma resposta similar (19, 20, 21).

No entanto, a própria cafeína também parece estimular os movimentos intestinais aumentando o peristaltismo, as contrações que movem alimentos através do seu trato digestivo (21).

Dado esse efeito, não é surpreendente que grandes doses de cafeína possam levar a fezes soltas ou mesmo a diarreia em algumas pessoas.

Embora, durante muitos anos se acreditou que o café causava úlceras no estômago, um grande estudo de mais de 8 mil pessoas não encontrou nenhuma ligação entre os dois (22).

Por outro lado, alguns estudos sugerem que as bebidas com cafeína podem piorar a doença do refluxo gastroesofágico em algumas pessoas. Isso parece ser especialmente verdadeiro para o café (23, 24, 25).

Em um pequeno estudo, quando cinco adultos saudáveis ​​tomaram água com cafeína, eles experimentaram um relaxamento do músculo que mantém o conteúdo do estômago se movendo para a garganta - a marca registrada da doença do refluxo gastroesofágico (25).

Uma vez que o café pode ter efeitos importantes na função digestiva, você deve reduzir a quantidade que você bebe ou mudar para o chá se você tiver algum problema.

Resumindo: Embora quantidades pequenas ou moderadas de café possam melhorar a motilidade intestinal, doses maiores podem levar a fezes soltas ou a doença do refluxo gastroesofágico. Reduzir a ingestão de café ou mudar para o chá pode ser benéfico.

4. Desagregação muscular

A rabdomiólise é uma condição muito grave em que as fibras musculares danificadas entram na corrente sanguínea, levando a insuficiência renal e outros problemas.

As causas comuns de rabdomiólise incluem trauma, infecção, abuso de drogas, tensão muscular e mordidas de cobras ou insetos venenosos.

Além disso, houve vários relatos de rabdomiólise relacionados à ingestão excessiva de cafeína, embora este seja relativamente raro (26, 27, 28, 29).

Em um caso, uma mulher desenvolveu náuseas, vômitos e urina escura depois de beber 1 litro de café contendo aproximadamente 565 mg de cafeína. Felizmente, ela se recuperou após ter sido tratada com medicação e líquidos (29).

É importante destacar que esta é uma grande dose de cafeína para consumir dentro de um curto período de tempo, especialmente para alguém que não está acostumado a isso ou é altamente sensível aos seus efeitos.

A fim de reduzir o risco de rabdomiólise, é melhor limitar a sua ingestão para cerca de 250 mg de cafeína por dia, a menos que esteja habituado a consumir mais.

Resumindo: As pessoas podem desenvolver rabdomiólise, ou a desagregação muscular, depois de ingerirem grandes quantidades de cafeína. Limite a sua ingestão para 250 mg por dia, se você não tem certeza de sua tolerância.

5. Vício

Apesar de todos os benefícios da cafeína para a saúde, não há como negar que ela possa se tornar formadora de hábitos.

Uma revisão detalhada sugere que, embora a cafeína desencadeie certos produtos químicos cerebrais de forma semelhante à forma como fazem a cocaína e as anfetaminas, isso não causa o vício clássico da maneira como esses medicamentos fazem (30).

No entanto, isso pode levar à dependência psicológica ou física, especialmente em doses elevadas.

Em um estudo, 16 pessoas que normalmente consumiam muita, moderada ou não tomavam cafeína, participaram em um teste de palavras depois de passarem sem cafeína durante a noite. Apenas os usuários que tomavam muita cafeína apresentaram um viés por palavras relacionadas com a cafeína e apresentaram fortes desejos por cafeína (31).

Além disso, a frequência da ingestão de cafeína parece desempenhar um papel na dependência.

Em outro estudo, 213 usuários de cafeína completaram questionários depois de passar 16 horas sem consumi-la. Os usuários diários tiveram maiores aumentos nas dores de cabeça, fadiga e outros sintomas de abstinência do que os usuários não diários (32).

Ainda que o composto não pareça causar um verdadeiro vício, se você beber regularmente uma grande quantidade de café ou outras bebidas com cafeína, há uma ótima chance de você se tornar dependente de seus efeitos.

Resumindo: Ficar sem cafeína por várias horas pode levar a sintomas de abstinência psicológica ou física naqueles que consomem grandes quantidades diariamente.

6. Pressão arterial elevada

No geral, a cafeína não parece aumentar o risco de doenças cardíacas ou acidentes vasculares cerebrais na maioria das pessoas.

No entanto, demonstrou-se aumentar a pressão arterial em vários estudos devido ao seu efeito estimulador no sistema nervoso (33, 34, 35, 36).

A pressão arterial elevada é um fator de risco para ataque cardíaco e acidente vascular cerebral, pois pode danificar as artérias ao longo do tempo, restringindo o fluxo sanguíneo para o coração e o cérebro.

Felizmente, o efeito da cafeína sobre a pressão arterial parece ser temporário. Além disso, parece ter o maior impacto em pessoas que não estão acostumadas a consumi-la.

A ingestão elevada de cafeína também mostrou aumentar a pressão arterial durante o exercício em pessoas saudáveis, bem como naqueles com pressão arterial levemente elevada (37, 38).

Portanto, prestar atenção à dosagem e tempo da cafeína é importante, especialmente se você já possui pressão alta.
Resumindo: A cafeína parece aumentar a pressão arterial quando consumida em altas doses ou antes do exercício, bem como em pessoas que raramente a consomem. Mas este efeito só pode ser temporário, então é melhor monitorar sua resposta.

7. Frequência cardíaca acelerada

Os efeitos estimulantes da alta ingestão de cafeína podem fazer com que seu coração bata mais rápido.

Também pode levar ao ritmo alterado do batimento cardíaco, chamado fibrilação atrial, que foi relatado em jovens que consumiram bebidas energéticas contendo doses extremamente altas de cafeína (39).

Em um estudo de caso, uma mulher que tomou uma dose maciça de cafeína em pó e comprimidos em uma tentativa de suicídio desenvolveu uma frequência cardíaca muito rápida, insuficiência renal e outros problemas de saúde graves (40).

No entanto, esse efeito não parece ocorrer em todos. Na verdade, mesmo algumas pessoas com problemas cardíacos podem tolerar grandes quantidades de cafeína sem quaisquer efeitos adversos.

Em um estudo controlado, quando 51 pacientes com insuficiência cardíaca consumiram 100 mg de cafeína por hora durante cinco horas, suas frequências cardíacas e ritmos permaneceram normais (41).

Independentemente dos resultados do estudo misto, se você notar alguma alteração em sua frequência cardíaca ou ritmo após beber bebidas com cafeína, considere diminuir sua ingestão.

Resumindo: Grandes doses de cafeína podem aumentar a frequência cardíaca ou o ritmo em algumas pessoas. Estes efeitos parecem variar muito de pessoa para pessoa. Se você os sentir, considere reduzir sua ingestão.

8. Fadiga

O café, o chá e outras bebidas com cafeína são conhecidos por aumentar os níveis de energia.

No entanto, eles também podem ter o efeito oposto, levando a rebote de fadiga depois que a cafeína sai do seu sistema.

Uma revisão de 41 estudos descobriu que, embora as bebidas com cafeína aumentassem o estado de alerta e a melhora do humor por várias horas, os participantes estavam frequentemente mais cansados do que o habitual no dia seguinte (42).

Claro, se você continuar a beber muita cafeína ao longo do dia, você pode evitar o efeito de rebote. Por outro lado, isso pode afetar sua capacidade de dormir.

Para maximizar os benefícios da cafeína na energia e evitar a fadiga de rebote, consuma-a em doses moderadas e elevadas.

Resumindo: Embora a cafeína forneça energia, ela pode indiretamente levar à fadiga quando seus efeitos desaparecem. Objetive a ingestão moderada de cafeína para ajudar a minimizar a fadiga de rebote.

9. Micção frequente e urgência

O aumento da micção é um efeito colateral comum da alta ingestão de cafeína devido aos efeitos estimuladores do composto na bexiga.

Você pode ter notado que você precisa urinar com frequência quando você bebe mais café ou chá do que o habitual.

A maioria das pesquisas que analisam os efeitos do composto sobre a frequência urinária se concentrou em pessoas mais velhas e em portadores de bexiga hiperativa ou incontinência (43, 44, 45).

Em um estudo, 12 jovens de idade média com bexigas hiperativas que consumiram 2 mg de cafeína por libra (4,5 mg por quilo) de peso corporal diariamente apresentaram aumentos significativos na frequência e urgência urinária (44).

Para alguém pesando 58 kg, isso equivaleria a cerca de 300 mg de cafeína por dia.

Além disso, a ingestão elevada pode aumentar a probabilidade de desenvolver incontinência em pessoas com bexigas saudáveis.

Um grande estudo analisou os efeitos da alta ingestão de cafeína na incontinência em mais de 65 mil mulheres sem incontinência.

Aquelas que consumiram mais de 450 mg por dia tiveram um risco significativamente aumentado de incontinência, em comparação com aquelas que consumiram menos de 150 mg por dia (45).

Se você bebe muitas bebidas com cafeína e sente que sua micção é mais frequente ou urgente do que deveria, pode ser uma boa ideia reduzir sua ingestão para verificar se seus sintomas melhoram.

Resumindo: O consumo elevado de cafeína tem sido associado ao aumento da frequência urinária e da urgência em vários estudos. Reduzir a ingestão pode melhorar esses sintomas.

Concluindo

A ingestão de cafeína leve a moderada parece proporcionar benefícios impressionantes para a saúde em muitas pessoas.

Por outro lado, doses muito elevadas podem levar a efeitos colaterais que interferem no dia a dia e podem até causar sérios problemas de saúde.

Embora as respostas variem de pessoa para pessoa, os efeitos da alta ingestão demonstram que mais não é necessariamente melhor.

Para obter os benefícios da cafeína sem efeitos indesejáveis, realize uma avaliação honesta de seu sono, níveis de energia e outros fatores que possam ser afetados e reduza sua ingestão, se necessário.

9 Remédios caseiros para úlceras - Com base científica

As úlceras são feridas que podem se desenvolver em diferentes partes do corpo.

Úlceras gástricas, ou úlceras de estômago, se desenvolvem no revestimento do estômago. Elas são muito comuns, afetando entre 2,4-6,1% da população (1).

Vários fatores que perturbam o equilíbrio do ambiente do estômago podem causar úlceras. O mais comum é uma infecção causada pela bactéria Helicobacter pylori (2).

Outras causas comuns incluem estresse, tabagismo, consumo excessivo de álcool e o uso excessivo de medicamentos anti-inflamatórios, como aspirina e ibuprofeno.

O tratamento convencional anti-úlcera tipicamente depende de medicamentos que possam causar efeitos colaterais negativos como dor de cabeça e diarreia.

Por esse motivo, o interesse em remédios alternativos aumentou de forma constante e foi estimulado por profissionais médicos e indivíduos com úlceras.

Este artigo lista 9 remédios naturais para úlcera com base científica.

1. Suco de repolho

9 Remédios caseiros com base científica para úlceras
O repolho é um remédio natural popular para úlceras. Segundo informações, médicos o usavam décadas antes de os antibióticos estarem disponíveis para ajudar a curar úlceras no estômago.

É rico em vitamina C, um antioxidante que ajuda a prevenir e tratar infecções por H. pylori. Estas infecções são a causa mais comum de úlceras estomacais (3, 4, 5).

Na verdade, vários estudos em animais mostram que o suco de repolho é eficaz no tratamento e prevenção de uma ampla gama de úlceras digestivas, incluindo as que afetam o estômago (6, 7, 8).

Nos seres humanos, estudos iniciais observaram que o consumo diário de suco de repolho fresco pareceu ajudar a curar úlceras de estômago de forma mais eficaz do que o tratamento convencional usado na época.

Em um estudo, 13 participantes que sofriam úlceras do estômago e do aparelho digestivo superior receberam cerca de um litro (946 ml) de suco de repolho fresco ao longo do dia.

Em média, as úlceras desses participantes curaram após 7-10 dias de tratamento. Isto é 3,5 a 6 vezes mais rápido do que o tempo médio de cicatrização relatado em estudos anteriores naqueles que seguiram um tratamento convencional (9).

Em outro estudo, a mesma quantidade de suco de repolho fresco foi administrada a 100 participantes com úlceras estomacais, a maioria dos quais já havia recebido tratamento convencional sem sucesso. 81% estavam livres de sintomas dentro de uma semana (10).

No entanto, os pesquisadores ainda não identificaram seus compostos exatos de recuperação, e nenhum estudo recente pode ser identificado.

Além disso, nenhum desses primeiros estudos teve um placebo apropriado, o que torna difícil saber com certeza que o suco de repolho é que produziu o efeito.

Resumindo: O suco de repolho contém compostos que podem ajudar a prevenir e curar úlceras no estômago. O repolho também é rico em vitamina C, o que parece ter propriedades protetoras semelhantes.

2. Alcaçuz (Licorice ou regaliz)

O alcaçuz é um tempero nativo da Ásia e da região do Mediterrâneo.

Provém da raiz seca da planta Glycyrrhiza glabra e é uma medicina popular à base de plantas usadas para tratar muitas condições.

Alguns estudos relatam que a raiz de alcaçuz pode ter propriedades de prevenção de úlcera e de combate a ulcera.

Por exemplo, o alcaçuz pode estimular o estômago e os intestinos para produzir mais muco, o que ajuda a proteger o revestimento do estômago. O muco extra também pode ajudar a acelerar o processo de cicatrização e ajudar a reduzir a dor relacionada à úlcera (11).

Os pesquisadores relatam ainda que certos compostos encontrados no alcaçuz podem impedir o crescimento de H. pylori. No entanto, os estudos são geralmente baseados no uso destes compostos na forma de suplemento (12, 13).

Assim, não está claro quanto de raiz de alcaçuz seco precisaria consumir para experimentar os mesmos efeitos benéficos.

A raiz de alcaçuz seca não deve ser confundida com doces com sabor de alcaçuz. É improvável que o doce de alcaçuz produza os mesmos efeitos e geralmente é muito alto em açúcar.

Além disso, alguns estudos não relatam nenhum efeito, então usar o alcaçuz como remédio de úlcera pode não funcionar em todos os casos (14).

O alcaçuz também pode interferir com certos medicamentos e causar efeitos colaterais, como dor muscular ou dormência nas extremidades. Considere falar com seu profissional de saúde antes de aumentar o conteúdo de alcaçuz de sua dieta.

Resumindo: O alcaçuz pode prevenir e combater úlceras em alguns indivíduos.

3. Mel

O mel é um alimento rico em antioxidantes ligado a uma variedade de benefícios para a saúde. Estes incluem melhorar a saúde dos olhos e um risco reduzido de doença cardíaca, acidente vascular cerebral e até mesmo certos tipos de câncer (15).

O mel também parece impedir a formação e promover a cura de muitas feridas, incluindo úlceras (16).

Além disso, os cientistas acreditam que as propriedades antibacterianas do mel podem ajudar a combater H. pylori, uma das causas mais comuns de úlceras no estômago (17, 18).

Vários estudos em animais fornecem suporte para a capacidade do mel para reduzir o risco de desenvolver úlceras, bem como o tempo de cura. No entanto, estudos humanos são necessários (19, 20, 21, 22).

Resumindo: O consumo regular de mel pode ajudar a prevenir úlceras, especialmente aquelas causadas por infecções por H. pylori.

4. Alho

O alho é outro alimento com propriedades antimicrobianas e antibacterianas.

Estudos em animais observam que os extratos de alho podem acelerar a recuperação das úlceras e até reduzir a probabilidade de elas se desenvolverem (6, 23, 24).

Além disso, estudos de laboratório, animais e humanos relatam que os extratos de alho podem ajudar a prevenir o crescimento de H. pylori - uma das causas mais comuns de úlceras (25).

Em um estudo recente, comer dois dentes de alho cru por dia durante três dias ajudou a reduzir significativamente a atividade bacteriana no revestimento do estômago de pacientes que sofrem de infecção por H. Pylori (26).

No entanto, nem todos os estudos foram capazes de reproduzir esses resultados e mais são necessários antes que conclusões fortes possam ser feitas (27).

Resumindo: O alho tem propriedades antimicrobianas e antibacterianas que podem ajudar a prevenir úlceras e curá-las mais rapidamente. No entanto, são necessárias mais pesquisas.

5. Cúrcuma ou Açafrão-da-terra

A cúrcuma é um tempero do sul da Ásia usado em muitos pratos indianos. É facilmente reconhecível pela sua rica cor amarela.

A curcumina, ingrediente ativo do açafrão, foi atribuído a propriedades medicinais.

Estes variam desde a função melhorada dos vasos sanguíneos até a redução da inflamação e do risco de doença cardíaca (28, 29, 30).

Além disso, o potencial anti-úlcera da curcumina foi recentemente estudado em animais.

Parece ter um potencial terapêutico imenso, especialmente na prevenção de danos causados ​​por infecções por H. pylori. Também pode ajudar a aumentar a secreção de muco, protegendo efetivamente o revestimento do estômago contra irritantes (31).

Foram realizados estudos limitados em seres humanos. Um estudo deu a 25 participantes 600 mg de Cúrcuma cinco vezes por dia.

Quatro semanas depois, as úlceras haviam curado em 48% dos participantes. Após doze semanas, 76% dos participantes estavam sem úlcera (32).

Em outro, indivíduos que mostraram positivo para H. pylori receberam 500 mg de Cúrcuma quatro vezes por dia.

Após quatro semanas de tratamento, 63% dos participantes estavam sem úlcera. Após oito semanas, esse montante aumentou para 87% (33).

Dito isto, nenhum desses estudos usou um tratamento com placebo, o que torna difícil saber se a Cúrcuma é o que causou a cicatrização das úlceras dos participantes. Assim, mais pesquisas são necessárias.

Resumindo: A curcumina, composto ativo da Cúrcuma ou açafrão, pode proteger o revestimento do estômago e ajudar curar úlceras. No entanto, são necessárias mais pesquisas, especialmente em seres humanos.

6. Mastique

O mastique é uma resina obtida a partir da árvore de lentisco Pistacia, mais comumente conhecida como a árvore de mastique.

Outros nomes comuns para o mastique incluem goma árabe, gema do Iêmen e lágrimas de Chios.

A árvore de mastique geralmente cresce na região do Mediterrâneo, e sua seiva pode ser seca em pedaços de resina translúcida quebradiça.

Quando esta é mastigada, esta resina suaviza em uma goma opaca branca com um sabor de pinheiro.

O mastique tem sido usado em medicina antiga para tratar vários distúrbios intestinais, incluindo úlceras no estômago e doença de Crohn (34, 35).

Mais recentemente, estudos em animais relatam que pode atuar como um remédio de úlcera natural potente (36).

Além disso, a pesquisa em 38 participantes que sofrem de úlceras informa que o consumo diário de 1 grama de mastique levou a uma redução de 30% maior nos sintomas relacionados à úlcera do que o placebo.

No final do período de estudo de duas semanas, as úlceras foram curadas em 70% dos participantes no grupo mastique versus apenas 22% das do grupo placebo (37).

O mastique parece ter atividade antibacteriana contra H. pylori também.

Em um estudo recente, a ingestão de 350 mg de goma de mastique três vezes por dia durante 14 dias erradicou infecções por H. pylori 7-15% mais efetivamente do que o tratamento convencional (38).

Embora este achado não tenha sido universalmente observado em todos os estudos, o consumo de mastique a longo prazo geralmente é considerado seguro. Assim, pode valer a pena testá-lo por si mesmo (39).

O mastique pode ser encontrado na maioria das lojas de alimentos naturais ​​como um suplemento em goma ou em pó.

Resumindo: O mastique é um remédio anti-úlcera tradicional que pode ajudar a reduzir os sintomas e acelerar a recuperação. É considerado seguro, mas seus efeitos podem variar de uma pessoa para outra.

7. Pimenta chili

Existe uma noção popular entre as pessoas que sofrem de úlceras que comer pimentas com frequência ou em grandes quantidades podem causar úlceras no estômago.

De fato, as pessoas que sofrem de úlceras geralmente são aconselhadas a limitar o consumo de pimentas ou a evitá-las completamente.

No entanto, pesquisas recentes mostram que essas pimentas não são susceptíveis de causar úlceras e podem realmente ajudar a se livrar delas.

Isso porque as pimentas chili contêm capsaicina, um ingrediente ativo que parece reduzir a produção de ácido estomacal e aumentar o fluxo de sangue para o revestimento do estômago. Acredita-se que esses dois fatores ajudem a prevenir ou curar úlceras (40).

A capsaicina encontrada em pimentas também pode ajudar a aumentar a produção de muco, que pode revestir o revestimento do estômago e protegê-lo contra lesões (41).

A maioria, embora não todos, estudos em animais mostram efeitos benéficos. No entanto, poucos estudos humanos podem ser encontrados (42, 43, 44).

Além disso, note que os estudos de animais acima usaram suplementos de capsaicina em vez de pimentas inteiras. Em pelo menos um estudo, tais suplementos levaram a dor gástrica mais intensa em certos indivíduos (45).

Portanto, pode ser melhor manter o alimento completo e ajustar sua ingestão com base na sua tolerância pessoal.

Resumindo: Ao contrário da crença popular, o consumo regular de pimentas pode ajudar a proteger contra úlceras e, talvez, melhorar sua cura. No entanto, são necessários mais estudos, especialmente em seres humanos.

8. Aloe Vera

A aloe vera é uma planta amplamente utilizada nas indústrias cosmética, farmacêutica e alimentícia. É amplamente conhecida por suas propriedades antibacterianas e curativas da pele.

Curiosamente, o aloe vera também pode ser um remédio efetivo contra úlceras de estômago (46, 47, 48, 49). Em um estudo, o consumo de aloe vera reduziu significativamente a quantidade de ácido estomacal produzido em ratos que sofrem de úlceras (50).

Em outro estudo em ratos, a aloe vera teve efeitos de cura da úlcera comparáveis ​​ao omeprazol, uma medicação anti-úlcera comum (47).

No entanto, poucos estudos foram realizados em seres humanos. Em um, uma bebida concentrada de aloe vera foi usada para tratar com sucesso 12 pacientes com úlceras estomacais (51).

Em outro estudo, tomar antibióticos com 1,4 mg / libra (3 mg / kg) de aloe vera diariamente durante seis semanas foi tão efetivo como o tratamento convencional nas úlceras cicatrizantes e na redução dos níveis de H. pylori (52).

A ingestão de aloe vera é considerada geralmente segura e os estudos acima mostram alguns resultados promissores. No entanto, são necessários mais estudos em seres humanos.

Resumindo: A aloe vera pode ser um remédio fácil e bem tolerado contra úlceras de estômago. No entanto, é necessária mais pesquisa em seres humanos.

9. Probióticos

Os probióticos são micro-organismos vivos que oferecem uma série de efeitos sobre a saúde.

Os seus benefícios variam de melhorar a saúde da sua mente até a saúde do intestino, incluindo a sua capacidade de prevenir e combater as úlceras.

Embora a forma como isso funciona ainda está sendo investigada, os probióticos parecem estimular a produção de muco, que protege o revestimento do estômago pelo revestimento.

Eles também podem promover a formação de novos vasos sanguíneos, o que facilita o transporte de compostos de cura para o local da úlcera e acelera o processo de cicatrização (2).

Curiosamente, os probióticos podem desempenhar um papel direto na prevenção de infecções por H. pylori (53).

Além disso, essas bactérias benéficas parecem aumentar a eficiência do tratamento convencional em cerca de 150%, enquanto reduzem a diarreia e outros efeitos colaterais relacionados a antibióticos em até 47% (53, 54, 55).

A dose necessária para efeitos de benefícios máximos ainda está sendo pesquisada. Dito isto, a maioria dos estudos acima relatam benefícios depois de levar de 200 a 2 bilhões de unidades formadoras de colônias (CFU) por 2 a 16 semanas (53).

Os alimentos ricos em probióticos tendem a fornecer menos unidades formadoras de colônias por porção do que suplementos, mas vale a pena adicionar à sua dieta, no entanto.

As boas fontes incluem vegetais em conserva, tempeh, missô, kefir, kimchi, chucrute e kombucha.

Resumindo: Os probióticos podem ajudar a prevenir e combater as úlceras. Eles também podem aumentar a eficiência de medicamentos anti-úlcera e reduzir seus efeitos colaterais.

Alimentos que devem ser evitados

Assim como alguns alimentos podem ajudar a impedir que úlceras se formem ou ajudem a curar mais rapidamente, algumas têm o efeito exato oposto.

Aqueles que tentam curar suas úlceras de estômago ou evitar desenvolvê-las devem considerar minimizar a ingestão dos seguintes alimentos (56):
  • Leite: embora uma vez recomendado para ajudar a reduzir a acidez do estômago e aliviar a dor, novas pesquisas mostram que o leite aumenta a secreção de ácido do estômago e deve ser evitado por aqueles com úlceras (56).
  • Álcool: o consumo de álcool pode causar danos ao estômago e ao trato digestivo, aumentando a probabilidade de úlceras (57, 58).
  • Café e refrigerantes: café e refrigerantes, mesmo que sejam descafeinados, podem aumentar a produção de ácido estomacal, o que pode irritar o revestimento do estômago (59).
  • Alimentos picantes e gordurosos: alimentos extremamente picantes ou gordurosos podem criar sensação de irritação em algumas pessoas. As pimentas são uma exceção, com base na tolerância pessoal (60).
Além de evitar os alimentos acima, consumir pequenas refeições em horários regulares, lanchar ao longo do dia, comer devagar e mastigar bem seus alimentos pode ajudar a reduzir a dor e promover a cura (60).

Além disso, evitar fumar e reduzir o estresse são duas estratégias anti-úlcera úteis adicionais.

Resumindo: Certos alimentos podem aumentar a probabilidade de desenvolver úlceras e atrasar a cicatrização. A ingestão deve ser minimizada por indivíduos propensos ou sofrendo de úlceras estomacais.

Concluindo

As úlceras de estômago são uma condição médica relativamente comum e irritante.

Os remédios naturais listados acima podem ajudar a prevenir o desenvolvimento de úlceras estomacais e facilitar a sua cura. Em alguns casos, eles podem até melhorar a eficácia do tratamento convencional e reduzir a gravidade de seus efeitos colaterais.

É importante notar que, na maioria dos casos, não está claro se esses remédios naturais são tão efetivos quanto o tratamento convencional.

Assim, aqueles que sofrem de úlceras devem procurar o aconselhamento de um profissional de saúde antes da automedicação.

10 Sinais e Sintomas de Deficiência de Ferro

A deficiência de ferro ocorre quando o corpo não possui o ferro mineral. Isso leva a níveis anormalmente baixos de glóbulos vermelhos.

Isso porque o ferro é necessário para fazer hemoglobina, uma proteína nos glóbulos vermelhos que lhes permite transportar oxigênio ao redor do corpo.

Se seu corpo não possui hemoglobina suficiente, seus tecidos e músculos não obterão oxigênio suficiente e não poderão trabalhar de forma eficaz. Isso leva a uma condição chamada anemia.

Embora existam diferentes tipos de anemia, a anemia ferropriva é a mais comum em todo o mundo (1).

As causas comuns de deficiência de ferro incluem a ingesta inadequada de ferro devido a uma dieta fraca ou dietas restritivas, doença intestinal inflamatória, aumento dos requisitos durante a gravidez e perda de sangue por períodos pesados ​​ou hemorragias internas.

Qualquer que seja a causa, a deficiência de ferro pode resultar em sintomas desagradáveis ​​que podem afetar sua qualidade de vida. Estes incluem saúde, concentração e produtividade do trabalho precárias (2).

Sinais e sintomas de deficiência de ferro variam de acordo com a gravidade da anemia, com a rapidez com que se desenvolve, sua idade e estado atual de saúde.

Em alguns casos, as pessoas não experimentam sintomas.

Aqui estão 10 sinais e sintomas de deficiência de ferro, começando com os mais comuns.

1. Cansaço Incomum

10 Sinais e Sintomas de Deficiência de Ferro
Sentir-se muito cansado é um dos sintomas mais comuns de deficiência de ferro, afetando mais da metade daqueles com deficiência (3, 4).

Isso acontece porque seu corpo precisa de ferro para criar uma proteína chamada hemoglobina, que é encontrada nos glóbulos vermelhos. A hemoglobina ajuda a transportar oxigênio ao redor do corpo.

Quando seu corpo não possui hemoglobina suficiente, menos oxigênio chega aos seus tecidos e músculos, privando-os de energia. Além disso, seu coração tem que trabalhar mais para mover mais sangue rico em oxigênio em seu corpo, o que pode deixá-lo cansado (1).

Como o cansaço é muitas vezes considerado uma parte normal de uma vida ocupada e moderna, é difícil diagnosticar a deficiência de ferro apenas com este sintoma.

No entanto, muitas pessoas com deficiência de ferro experimentam baixa energia ao lado da fraqueza, sensação de irritabilidade, dificuldade de concentração ou baixa produtividade no trabalho.

Resumindo: O cansaço é um dos sinais mais comuns de deficiência de ferro. Isto é devido a menos oxigênio atingindo os tecidos do corpo, privando-os de energia.

2. Palidez

A pele pálida e a coloração pálida do interior das pálpebras inferiores são outros sinais comuns de deficiência de ferro (5, 6, 7).

A hemoglobina nos glóbulos vermelhos dá ao sangue à sua cor vermelha, portanto, níveis baixos durante a deficiência de ferro tornam o sangue menos vermelho. É por isso que a pele pode perder sua cor saudável e rosada em pessoas com deficiência de ferro.

Esta palidez em pessoas com deficiência de ferro pode aparecer em todo o corpo, ou pode ser limitada a uma área, como o rosto, gengivas, dentro dos lábios ou pálpebras inferiores e até mesmo as unhas (8).

Esta é muitas vezes uma das primeiras coisas que os médicos procurarão como sinal de deficiência de ferro. No entanto, deve ser confirmado com um exame de sangue (6).

A palidez é mais comum em casos moderados ou graves de anemia (9).

Se você puxar a pálpebra inferior para baixo, a camada interna deve estar de uma cor vermelha vibrante. Se estive com uma cor rosa ou amarela muito pálido, isso pode indicar que você tem deficiência de ferro.

Resumindo: A palidez em geral ou em áreas específicas como a face, a parte inferior da pálpebra interna ou as unhas podem ser um sinal de deficiência de ferro moderada ou grave. Isso é causado por níveis mais baixos de hemoglobina, que dá sangue a sua cor vermelha.

3. Falta de ar

A hemoglobina permite que seus glóbulos vermelhos transportem oxigênio ao redor do corpo.

Quando a hemoglobina é baixa em seu corpo durante a deficiência de ferro, os níveis de oxigênio também serão baixos. Isso significa que seus músculos não obterão oxigênio suficiente para fazer atividades normais, como caminhar (10).

Como resultado, sua taxa de respiração aumentará à medida que seu corpo tentar obter mais oxigênio.
É por isso que a falta de ar é um sintoma comum (4).

Se você se sentir sem fôlego fazendo tarefas normais e diárias que você costumava achar fácil, como caminhar, subir escadas ou trabalhar, a deficiência de ferro pode ser o culpado.

Resumindo: A falta de ar é um sintoma de deficiência de ferro, uma vez que baixos níveis de hemoglobina significam que o corpo não é capaz de transportar oxigênio para músculos e tecidos efetivamente.

4. Dores de cabeça e tonturas

A deficiência de ferro pode causar dores de cabeça (11).

Este sintoma parece ser menos comum do que outros e muitas vezes é acompanhado de vertigem ou tonturas (4).

Na deficiência de ferro, os baixos níveis de hemoglobina nos glóbulos vermelhos significam que o oxigênio não é suficiente para atingir o cérebro. Como resultado, vasos sanguíneos no cérebro podem inchar, causando pressão e dores de cabeça (12).

Embora haja muitas causas de dores de cabeça, dores de cabeça frequentes e recorrentes e tonturas podem ser um sinal de deficiência de ferro.

Resumindo: Dores de cabeça e tonturas podem ser um sinal de deficiência de ferro. A falta de hemoglobina significa que o oxigênio suficiente atinge o cérebro, fazendo com que seus vasos sanguíneos se incham e criem pressão.

5. Palpitações cardíacas

Os batimentos cardíacos notáveis, também conhecidos como palpitações cardíacas, podem ser outro sintoma de anemia ferropriva.

A hemoglobina é a proteína nos glóbulos vermelhos que ajuda a transportar oxigênio ao redor do corpo.

Na deficiência de ferro, os baixos níveis de hemoglobina significam que o coração tem que trabalhar mais para transportar oxigênio.

Isso pode levar a batimentos cardíacos irregulares, ou a sensação de que seu coração está batendo anormalmente rápido (4, 13).

Em casos extremos, pode levar a um coração alargado, murmúrio cardíaco ou insuficiência cardíaca (4).

No entanto, esses sintomas tendem a ser muito menos comuns. Você teria que sofrer de deficiência de ferro há muito tempo para experimentá-los.

Resumindo: Em casos de deficiência de ferro, o coração tem que trabalhar muito mais para transportar oxigênio ao redor do corpo. Isso pode levar a batimentos cardíacos irregulares ou rápidos e até mesmo murmúrios cardíacos, coração aumentado ou insuficiência cardíaca.

6. Cabelos e pele secos e danificados

A pele seca e danificada e o cabelo podem ser sinais de deficiência de ferro (4).

Isso ocorre porque quando seu corpo é deficiente em ferro, ele dirige seu oxigênio limitado para funções mais importantes, como órgãos e outros tecidos corporais.

Quando a pele e o cabelo são privados de oxigênio, pode tornar-se seco e fraco.

Casos mais graves de deficiência de ferro foram associados à perda de cabelo (14, 15).

É completamente normal que alguns cabelos caíam durante a lavagem e escovação todos os dias, mas se você estiver perdendo mechas ou muito mais do que o normal, pode ser devido à deficiência de ferro.

Resumindo: Como a pele e os cabelos recebem menos oxigênio do sangue durante a deficiência de ferro, eles podem ficar secos e danificados. Em casos mais graves, isso pode causar perda de cabelo.

7. Inchaço e dor na língua e na boca

Às vezes, apenas olhando para dentro ou ao redor de sua boca pode dar uma indicação de se você está sofrendo de anemia ferropriva.

Os sinais incluem quando sua língua fica inchada, inflamada, pálida ou estranhamente lisa (16).

A baixa hemoglobina na deficiência de ferro pode fazer com que a língua fique pálida, enquanto que os níveis mais baixos de mioglobina podem fazer com que ela fique dolorida, lisa e inchada.

A mioglobina é uma proteína nos glóbulos vermelhos que suporta os músculos, como o músculo que compõe a língua (16).

A deficiência de ferro também pode causar boca seca, feridas vermelhas doloridas nos cantos da boca ou úlceras na boca (17).

Resumindo: Uma língua dolorida, inchada ou estranhamente lisa pode ser um sinal de anemia ferropriva. Rachaduras nos cantos da boca também podem ser um sinal.

8. Pernas Inquietas

A deficiência de ferro tem sido associada à síndrome das pernas inquietas (18).

A síndrome das pernas inquietas é um forte desejo de mover as pernas quando em repouso. Também pode causar sensações de formigar ou comichão desagradáveis e estranhas nos pés e pernas.

Geralmente, é pior à noite, o que significa que os doentes podem ter dificuldade em dormir.

As causas da síndrome das pernas inquietas não são totalmente compreendidas.

No entanto, pensa-se que até 25% das pessoas com síndrome das pernas inquietas sofrem de anemia ferropriva e quanto menor o nível de ferro, pior os sintomas (19).

Resumindo: Pessoas com anemia ferropriva têm maior chance de sofrer síndrome das pernas inquietas. Este é um forte desejo de mover as pernas quando em repouso.

9. Unhas frágeis ou em forma de colher

Um sintoma muito menos comum de deficiência de ferro é unhas frágeis ou em forma de colher, uma condição chamada koilonychia (8, 20).

Isso geralmente começa com unhas frágeis que se quebram e se quebram facilmente.

Nos estágios posteriores de deficiência de ferro, as unhas em forma de colher podem ocorrer onde o meio da unha afunda e as bordas são levantadas para dar uma aparência arredondada como uma colher.

No entanto, este é um efeito colateral raro e geralmente apenas é observado em casos graves de anemia ferropriva.

Resumindo: As unhas frágeis ou em forma de colher podem ser um indicador de anemia ferropriva mais grave.

10. Outros sinais potenciais

Há vários outros sinais de que você está com deficiência de ferro. Estes tendem a ser menos comuns e podem ser associados a muitas outras condições além da deficiência de ferro.

Outros sinais de anemia ferropriva incluem:
  • Desejos estranhos: um desejo por alimentos estranhos ou itens não alimentares é chamado de "Síndrome de Pica" ou Alotriofagia. Geralmente envolve desejos para comer gelo, argila, sujeira, giz ou papel e pode ser um sinal de deficiência de ferro. Também pode ocorrer durante a gravidez (21).
  • Sensação de ansiedade: a falta de oxigênio disponível para os tecidos do corpo na deficiência de ferro pode causar sensação de ansiedade. No entanto, isto tende a melhorar ou a resolver à medida que os níveis de ferro são corrigidos (22).
  • Mãos e pés frios: a deficiência de ferro significa que menos oxigênio está sendo levado às mãos e aos pés. Algumas pessoas podem sentir frio mais facilmente em geral ou ter mãos e pés frios.
  • Infecções mais frequentes: porque o ferro é necessário para um sistema imunológico saudável, a falta dele pode fazer com que você contraia mais doenças do que o habitual (23).
Resumindo: Outros sinais mais genéricos de deficiência de ferro podem incluir ânsias de comida estranhas, sentir-se ansioso, mãos e pés frios e um risco aumentado de infecções.

O que fazer se você achar que está com deficiência de ferro

Se você acha que tem anemia ferropriva, considere os seguintes conselhos.

Fale com o seu médico

Se você acha que está mostrando sinais ou sintomas de deficiência de ferro, você deve marcar uma consulta para consultar o seu médico. Um exame de sangue simples confirmará se você tem anemia ferropriva (3).

Se o seu médico confirmar que você tem deficiência de ferro, provavelmente poderá tratá-lo com bastante facilidade, aumentando a ingestão de ferro da sua dieta ou com suplementos de ferro (4).

O objetivo principal do tratamento é restaurar os níveis de hemoglobina no normal e reabastecer as reservas de ferro.

Tente garantir que você está recebendo ferro suficiente através de alimentos reais em sua dieta. Apenas tome suplementos se o seu médico os recomendar.

Coma alimentos ricos em ferro

Se seu médico achar que sua deficiência de ferro pode ser causada por falta de ferro na sua dieta, pense em consumir mais alimentos ricos em ferro, tais como:
  • Carne vermelha, porco e aves
  • Vegetais de folhas verde escuro, como espinafre e couve
  • Frutos secos, como passas e damascos
  • Ervilhas, feijões e outros legumes
  • Frutos do mar
  • Alimentos fortificados com ferro
  • Sementes e nozes
Ajude a impulsionar sua absorção de ferro

É importante destacar que comer vitamina C ajudará seu corpo a absorver melhor o ferro. Certifique-se de comer alimentos ricos em vitamina C, como frutas e vegetais (24).

Também pode ser benéfico evitar certos alimentos que podem inibir a absorção de ferro quando consumidos em grandes quantidades. Estes incluem chá e café e alimentos com alto teor de cálcio, como produtos lácteos e cereais integrais.

Tome suplementos de ferro se o seu médico os recomendar

Geralmente, você só deve tomar um suplemento de ferro como último recurso e se o seu médico o recomendar. Este provavelmente será o caso se você não conseguir restaurar seus níveis de ferro através da dieta.

Se você tomar um suplemento de ferro, tente beber suco de laranja com ele para aumentar a absorção de ferro.

Tenha em mente que existem alguns efeitos colaterais desagradáveis ​​de tomar suplementos de ferro. Estes incluem dor de estômago, constipação ou diarreia, azia, náuseas e fezes pretas.

No entanto, esses efeitos colaterais geralmente diminuem ao longo do tempo e dependem da dose de ferro que você toma.

Resumindo: Se você acha que tem anemia ferropriva, fale com seu médico, que provavelmente recomendará alimentos mais ricos em ferro (além da vitamina C para aumentar a absorção de ferro) ou possivelmente suplementos de ferro.

Concluindo

A anemia ferropriva é o tipo de anemia mais comum em todo o mundo.

Algumas pessoas têm sintomas óbvios, enquanto outras não experimentam nada. Isso muitas vezes depende da gravidade da anemia.

Sinais e sintomas comuns incluem cansaço, pele pálida, batimentos cardíacos visíveis, dores de cabeça e tonturas, sensação de falta de ar, cabelos e pele secos e danificados, língua e boca adormecidas ou inchadas, pernas inquietas e unhas frágeis ou em forma de colher.

Se você acha que tem sintomas de deficiência de ferro, certifique-se de visitar o seu médico. O autodiagnostico não é recomendado.

Felizmente, a maioria das formas de deficiência de ferro pode ser tratada com bastante facilidade, geralmente através de uma dieta rica em ferro ou suplementos de ferro, se o seu médico os recomendar.

19 alimentos ricos em água que ajudam você a se manter hidratado

A hidratação adequada é extremamente importante para sua saúde.

Na verdade, não beber água suficiente pode levar à desidratação, o que pode causar fadiga, dores de cabeça, problemas de pele, cãibras musculares, baixa pressão arterial e uma frequência cardíaca rápida (1).

Além disso, a desidratação prolongada pode levar a complicações graves como a falha de órgãos (1).

Os especialistas geralmente recomendam beber vários copos de água por dia para atender às suas necessidades de hidratação.

Mas enquanto beber água é muito importante, você também pode obtê-la a partir de alguns alimentos.

Existem muitos alimentos saudáveis ​​que podem contribuir com uma grande quantidade de água para sua dieta.

19 alimentos ricos em água que ajudam você a se manter hidratado
Este artigo discute 19 alimentos ricos em água que irão ajudá-lo a permanecer hidratado.

1. Melancia

Conteúdo de água: 92%

A melancia é muito saudável e um dos alimentos mais hidratantes que você pode comer.

Uma dose de 1 copo (154 gramas) contém mais de meio copo (118 ml) de água, além de algumas fibras e vários nutrientes importantes, incluindo vitamina C, vitamina A e magnésio. Também é bastante baixa em calorias, fornecendo apenas 46 calorias por xícara (2).

Devido ao seu elevado teor de água, as melancias têm uma densidade de calorias muito baixa. Isso significa que uma porção relativamente grande de melancia contém muito poucas calorias.

Alimentos com baixas densidades de calorias demonstraram ajudar com a perda de peso promovendo a saciedade e reduzindo o apetite (3, 4).

Além disso, a melancia é rica em poderosos antioxidantes, incluindo o licopeno.

Este composto foi estudado por sua capacidade de reduzir o dano oxidativo às células, que tem sido associada a doenças como doenças cardíacas e diabetes (5).

Você pode adicionar melancia à sua dieta, consumindo-a como um lanche refrescante. Também é comumente usada para fazer saladas e sucos.

Resumindo: A melancia é uma fruta hidratante, com densidade nutritiva que pode proporcionar vários benefícios para a saúde, incluindo um risco reduzido de doença crônica.

2. Morangos

Conteúdo de água: 91%

Os morangos têm um alto teor de água, tornando-os um alimento muito hidratante.

Uma vez que cerca de 91% do peso dos morangos vem da água, comê-los contribuirá para a ingestão diária de água.

Além disso, os morangos fornecem muita fibra, antioxidantes e vitaminas e minerais que combatem doenças, incluindo vitamina C, folato e manganês (6, 7, 8).

Comer morangos em uma base regular tem demonstrado reduzir a inflamação, o que pode ajudar a proteger contra doenças cardíacas, diabetes, doença de Alzheimer e vários tipos de câncer (9, 10).

É fácil incluir morangos em sua dieta misturando-os em smoothies ou incorporando-os em saladas. Eles também fazem uma adição única para sanduiches e vitaminas.

Resumindo: Os morangos são muito saudáveis e contêm muita água. Além disso, os nutrientes que eles fornecem podem oferecer uma série de benefícios para a saúde.

3. Cantalupo (melão)

Conteúdo de água: 90%

Cantalupo é um melão que é extremamente nutritivo e pode aumentar a sua saúde de várias formas.
Um copo (177 gramas) de Cantalupo é composto por cerca de 50% de água e entrega mais de meio copo (118 ml) de água por porção (11).

Uma xícara de Cantalupo também contém 2 gramas de fibra, que trabalha em conjunto com a água para promover a plenitude e reduzir o seu apetite (11, 12, 13, 14).

Além disso, o Cantalupo ou melão é rico em vitamina A, fornecendo 120% de suas necessidades diárias em um copo de 1 copo (177 gramas). Estudos demonstraram que a vitamina A pode estimular a saúde imune protegendo contra a infecção (11, 15).

Você pode consumir o melão puro ou adicioná-lo a saladas, smoothies, iogurte ou sucos. Também é um ótimo acompanhante no café da manhã.

Resumindo: O Cantalupo é uma fruta saudável que fornece uma quantidade significativa de água e muitas vitaminas e minerais que promovem a saúde.

4. Pêssegos

Conteúdo da água: 89%

Os pêssegos são frutos muito nutriente, densos e hidratante.

Cerca de 90% do seu peso é água. Eles também fornecem várias vitaminas e minerais importantes, como vitamina A, vitamina C, vitaminas B e potássio (16).

Além disso, comer pêssegos com a casca também pode contribuir com antioxidantes que combatem doenças como o ácido clorogênico para sua dieta (17).

O teor de água e fibra nos pêssegos é por que eles são muito cheios e baixos em calorias, com apenas 60 calorias em um pêssego médio (16).

É simples adicionar pêssegos à sua dieta. Eles são comumente combinados com smoothies e saladas e também fazem uma ótima adição ao queijo cottage e iogurte.

Resumindo: Os pêssegos são ricos em água, fibra e antioxidantes, além de várias vitaminas e minerais que podem promover hidratação e fornecer muitos outros benefícios para a saúde.

5. Laranjas

Conteúdo da água: 88%

As laranjas são incrivelmente saudáveis ​​e podem fornecer uma série de benefícios para a saúde.

Há quase uma meia xícara (118 ml) de água em uma laranja, juntamente com fibras e vários nutrientes (18).

Estes incluem vitamina C e potássio, o que pode aumentar sua função imunológica e saúde cardíaca (19, 20).

As laranjas também são ricas em antioxidantes que combatem doenças, incluindo flavonóides e antocianinas, o que pode prevenir danos celulares ao reduzir a inflamação (21, 22).

A água e a fibra nas laranjas podem promover sensação de saciedade, o que é útil para manter seu apetite sob controle (4, 12, 23).

Além disso, comer regularmente frutas cítricas como laranjas pode proteger contra cálculos renais. Isso ocorre porque o ácido cítrico que elas contêm pode se ligar ao oxalato de cálcio que forma pedra, ajudando a liberá-la do corpo (24).

A hidratação adequada é outro fator importante na prevenção de cálculos renais, que o alto teor de água das laranjas pode ajudar a promover (24).

Resumindo: As laranjas são uma ótima fonte de água, fibra, antioxidantes e vários nutrientes e podem ajudar a prevenir cálculos renais e várias doenças.

6. Leite desnatado

Conteúdo de água: 91%

O leite desnatado é muito nutritivo.

É composto principalmente de água e fornece uma quantidade considerável de vitaminas e minerais, incluindo vitamina A, cálcio, riboflavina, vitamina B12, fósforo e potássio (25).

O leite não só ajuda com a hidratação geral, mas também pode ajudá-lo a reidratar após o exercício extenuante (26).

Alguns estudos mostraram que o leite com baixo teor de gordura ajudou as pessoas a se manterem hidratadas após um treino, em comparação com as bebidas esportivas ou a água comum (26, 27).

Isto é em parte devido ao teor de eletrólitos e proteínas do leite, o que pode ajudar a substituir as perdas de fluidos corporais (27).

Como o leite está amplamente disponível e bastante barato, é fácil de incorporar na sua dieta.

Resumindo: O leite é rico em água, vitaminas e minerais e foi comprovado ajudar as pessoas a manter a hidratação adequada, especialmente após o exercício.

7. Pepino

Conteúdo de água: 95%

O pepino é outro alimento saudável e hidratante para incluir na sua dieta.

Eles são compostos quase que inteiramente de água e também fornecem uma pequena quantidade de alguns nutrientes, como vitamina K, potássio e magnésio (28).

Em comparação com outros vegetais ricos em água, os pepinos são um dos mais baixos em calorias. Existem apenas 8 calorias em meio copo (52 gramas), e seu conteúdo de água os torna muito refrescantes (28).

Você pode comer uma porção relativamente grande de pepinos sem adicionar um número significativo de calorias à sua dieta, o que é útil para manter seu peso (12).

É fácil incorporar pepinos em sua dieta. Eles são comumente adicionados a saladas e sanduíches, mas também podem ser incluídos em pratos cozidos, como sopas.

Resumindo: Os pepinos são ricos em água, mas muito baixos em calorias. Esta combinação é benéfica para vários aspectos da sua saúde, incluindo a hidratação.

8. Alface

Conteúdo da água: 96%

A alface tem várias propriedades que promovem a saúde.

Um copo (72 gramas) de alface fornece mais de um quarto de xícara (59 ml) de água, além de 1 grama de fibra. Ele também fornece 5% de suas necessidades diárias de folato (29).

O folato é importante para as mulheres grávidas, pois pode ajudar a prevenir defeitos congênitos no tubo neural (30).

Além disso, a alface é alta em vitaminas K e A, ambas estudadas por seus papéis em manter seus ossos e sistema imunológico saudáveis​​ (29, 31, 32).

Além disso, a combinação de água e fibra na alface faz com que seja muito preenchido por um número reduzido de calorias. Existem apenas 10 calorias em uma dose de 1 copo (72 gramas) (29).

Você pode facilmente adicionar alface à sua dieta ao usá-la para fazer saladas. Além disso, você pode usá-la em hambúrgueres ou para enrolar em vez de uma tortilla para substituir os grãos menos hidratantes.

Resumindo: A alface fornece alguns nutrientes e fibras importantes, bem como uma grande quantidade de água, o que pode ajudar a manter você hidratado.

9. Caldos e Sopas

Conteúdo de água: 92%

Caldos e sopas geralmente são à base de água e têm o potencial de ser muito hidratantes e nutritivos.
Por exemplo, 1 copo (240 gramas) de caldo de frango é feito quase que inteiramente de água, o que contribui com uma quantidade decente para suas necessidades diárias de hidratação (33).

Consumir alimentos ricos em água, como caldos e sopas regularmente também pode promover a perda de peso devido ao seu baixo teor calórico.

Muitos estudos descobriram que aqueles que consomem sopa antes do prato principal de uma refeição comem menos calorias e, portanto, acabam com uma menor ingestão calórica diária (34).

Em um estudo, os participantes que comeram duas porções de sopas de baixa caloria por dia acabaram perdendo 50% mais peso do que aqueles que consumiram o mesmo número de calorias de lanches (35).

Você pode aumentar significativamente o conteúdo nutricional de caldos e sopas, adicionando muitos vegetais, como brócolis, cenouras, cebolas, cogumelos e tomates.

Resumindo: Caldos e sopas são ricos em água e, portanto, excelentes alimentos para incluir na sua dieta para promover a hidratação.

10. Abobrinha italiana

Conteúdo de água: 94%

A abobrinha italiana é um vegetal nutritivo que pode proporcionar vários benefícios para a saúde.

Uma porção de 1 xícara (124 gramas) de abobrinha picada contém mais de 90% de água e fornece 1 grama de fibra. Ambos os componentes são ótimos para mantê-lo saciado (36).

E como resultado de seu alto teor de água, a abobrinha é bastante baixa em calorias por volume, com apenas 20 calorias em 1 xícara (124 gramas) (36).

Comer abobrinha italiana contribuirá com vários nutrientes para sua dieta, especialmente vitamina C, uma vez que 1 xícara (124 gramas) contém 35% de suas necessidades diárias (36).

A vitamina C é essencial para um sistema imunológico saudável e pode ajudar a proteger contra uma série de doenças (37).

Para incluir abobrinha na sua dieta, coma-a pura como um acompanhamento ou adicione-a às sopas, saladas e salteados. Você também pode cortá-la em tiras para criar "macarrão" que você pode usar como alternativa às massas normais.

Resumo: Consumir abobrinha contribuirá com uma quantidade significativa de água e nutrientes para sua dieta. Isso ajudará a mantê-lo hidratado, e é benéfico para sua saúde geral.

11. Aipo

Conteúdo de água: 95%

O aipo é um alimento muito saudável e hidratante para incluir na sua dieta.

É composto principalmente de água, fornecendo cerca de meia xícara (118 ml) em uma dose de 1 xícara (236 gramas).

Isso contribui para o seu baixo teor calórico de apenas 16 calorias por xícara (38).

Como outros vegetais ricos em água, o aipo pode ser um alimento benéfico para perda de peso devido ao seu alto teor de água e baixo número de calorias (3).

Além disso, o aipo contém algumas fibras e muitos nutrientes importantes.

É particularmente alto em vitamina K e potássio, que pode proteger contra doenças cardíacas, certos tipos de câncer e doenças relacionadas aos ossos, como osteoporose (38, 39, 40).

É bastante simples incorporar o aipo em sua dieta, pois pode ser comido cru ou cozido. Você pode adicioná-lo a sopas e saladas, ou comer palitos de aipo, mergulhando-os em algo saudável, como o húmus ou iogurte grego.

Resumindo: O aipo é baixo em calorias e uma excelente fonte de água e nutrientes. Essas propriedades podem promover vários aspectos da sua saúde, incluindo a hidratação adequada.

12. Iogurte natural

Conteúdo de água: 88%

O iogurte natural contém muita água e nutrientes que podem aumentar vários aspectos da sua saúde.

Uma dose de 1 xícara (245 gramas) de iogurte natural é composta por mais de 75% de água. Ele também fornece várias vitaminas e minerais, como cálcio, fósforo e potássio, todos os quais são conhecidos por ajudar a promover a saúde óssea (19, 41, 42, 43).

O iogurte também é uma ótima fonte de proteína, fornecendo mais de 8 gramas e cerca de 17% das suas necessidades diárias em uma porção de 1 xícara (245 gramas) (41).

Comer iogurte em uma base regular tem demonstrado promover a perda de peso, um efeito que é em grande parte devido aos efeitos de redução de apetite dos seus altos teores de água e proteínas (44, 45, 46).

Para desfrutar dos benefícios completos do iogurte, coma variedades de iogurte natural e não aromatizados.

Isso ocorre porque o iogurte aromatizado é tipicamente alto em açúcares não saudáveis, que devem ser limitados em sua dieta devido ao seu papel na promoção de doenças como obesidade, doenças cardíacas e diabetes (47, 48, 49).

Por exemplo, 1 xícara (245 gramas) de iogurte com sabor de fruta contém 47 gramas de açúcar, que é mais de quatro vezes a quantidade encontrada no mesmo tamanho de porção de iogurte natural  (41, 50).

Resumindo: O iogurte natural é uma ótima fonte de água, proteínas e algumas vitaminas e minerais importantes. Pode proporcionar efeitos hidratantes, juntamente com muitos outros benefícios para a saúde.

13. Tomates

Conteúdo de água: 94%

Os tomates têm um perfil nutricional impressionante e podem fornecer muitos benefícios para a saúde.

Um tomate médio sozinho fornece cerca de meio copo (118 ml) de água.

Ele também fornece uma quantidade significativa de vitaminas e minerais, incluindo as vitaminas A e C que aumentam a imunização (51).

A grande quantidade de água no tomate contribui para o seu baixo teor calórico, com apenas 32 calorias em uma dose de 1 copo (149 gramas) (51).

Além disso, os tomates são ricos em fibras e alguns antioxidantes que combatem doenças, incluindo o licopeno.

O licopeno foi estudado por seu potencial para reduzir o risco de doença cardíaca e pode ajudar a prevenir o desenvolvimento de câncer de próstata (52, 53, 54).

Você pode desfrutar de tomates cozidos com sopas, molhos e vários outros pratos. Também são adicionados às saladas e sucos.

Resumindo: Os tomates fornecem muita água, nutrientes e antioxidantes, que são benéficos para a hidratação e protegem contra várias doenças.

14. Pimentões

Conteúdo de água: 92%

Os pimentões são outros vegetais incrivelmente saudáveis ​​com uma variedade de efeitos que promovem a saúde.

Mais de 90% do peso dos pimentões vem da água.

Eles são ricos em fibras, vitaminas e minerais, como vitaminas B e potássio. Os pimentões também contêm antioxidantes carotenóides, o que pode reduzir o risco de certos cânceres e doenças oculares (55, 56).

Além disso, os pimentões contêm a maior quantidade de vitamina C, em comparação com outras frutas e vegetais, fornecendo 317% de suas necessidades diárias em apenas um copo (149 gramas) (55).

A vitamina C não só beneficia seu sistema imunológico, mas também ajuda seu corpo a absorver o ferro de forma mais eficaz, promove a saúde óssea e protege suas células contra os efeitos nocivos dos radicais livres (37, 57).

Devido ao seu elevado teor de água, os pimentões são muito baixos em calorias, proporcionando 46 calorias por xícara (149 gramas). Isso significa que você pode comer grandes porções deles sem se sentir como se estivesse ao mar (55).

Existem várias maneiras de incluir pimentões na sua dieta. Eles podem ser comidos em saladas, incluídos em molhos ou adicionados a salteados.

Resumindo: Os pimentões podem fornecer uma série de benefícios para a saúde devido às altas quantidades de água e nutrientes que eles contêm, em particular a vitamina C.

15. Couve-flor

Conteúdo de água: 92%

Couve-flor é um excelente vegetal para incluir em sua dieta, pois é muito nutritivo e hidratante.

Um copo (100 gramas) de couve-flor fornece mais de um copo (59 ml) de água, além de 3 gramas de fibra reduzindo o apetite.

Seu alto teor de água contribui para o seu baixo número de calorias, com apenas 25 calorias por xícara (58).

Além disso, a couve-flor consiste em mais de 15 vitaminas e minerais diferentes, incluindo a colina, que não é encontrada em muitos alimentos. A colina é um nutriente essencial para apoiar a saúde cerebral e o metabolismo (58, 59).

Você pode usar a couve-flor como um substituto para grãos menos hidratantes cortando-a bem fininha ou usando-a para fazer uma crosta de pizza à base de couve-flor.

Resumindo: A couve-flor fornece uma quantidade significativa de água, fibra e nutrientes, e é um bom substituto para grãos que são menos hidratantes.

16. Repolho

Conteúdo de água: 92%

O repolho é um vegetal cruciferante extremamente saudável (60).

É bastante baixo em calorias, mas rico em fibras e nutrientes. Também é rico em vitamina C, vitamina K, folato e vários minerais que podem ter uma variedade de efeitos que promovem a saúde (3, 60).

Por exemplo, a vitamina C é bem conhecida por seu papel na redução da inflamação e demonstrou reduzir o risco de doenças crônicas como diabetes e doença cardíaca (37).

Além disso, o repolho fornece glucosinolatos, que são antioxidantes que ajudam a proteger contra certos tipos de câncer, como câncer de pulmão (61, 62).

Além disso, o repolho é geralmente fermentado em chucrute, que também é rico em água e pode beneficiar a saúde digestiva (63, 64).

Resumindo: Comer repolho pode ajudar vários aspectos da sua saúde, incluindo a hidratação. Isto é devido aos seus conteúdos de água, nutrientes e antioxidantes.

17. Toranja

Conteúdo da água: 88%

A toranja é uma fruta cítrica excepcionalmente saudável com muitos benefícios para a saúde.

Na metade de uma toranja (123 gramas), há cerca de meia xícara (118 gramas) de água, o que contribui com uma quantidade decente de água para suas necessidades diárias de hidratação (65).

Além disso, a toranja é rica em fibras, antioxidantes e várias vitaminas e minerais, incluindo vitamina A, potássio e folato.

É especialmente alta em vitamina C que aumenta a imunidade, fornecendo 120% de suas necessidades diárias em meia toranja (123 gramas) (65).

Vários estudos mostraram que a toranja na sua dieta pode ajudar a aumentar a perda de peso, bem como reduzir o colesterol, a pressão sanguínea e os níveis de açúcar no sangue (66, 67, 68).

Você pode facilmente incluir a toranja em sua dieta, comendo-a de forma in natura, misturando-a com smoothies ou adicionando-a às saladas.

Resumindo: A toranja pode promover a hidratação devido ao seu elevado teor de água. Também é rica em nutrientes e antioxidantes que podem ter uma série de benefícios para a saúde.

18. Água de coco

Conteúdo de água: 95%

A água de coco é uma bebida super saudável que irá mantê-lo hidratado.

Não só tem um teor de água muito alto, também é rico em eletrólitos, incluindo potássio, sódio e cloreto (69).

Estudos demonstraram que a água de coco pode ser benéfica para a reidratação. E é útil para a recuperação do exercício devido ao seu conteúdo eletrólito (70, 71).

Beber água de coco após o exercício é uma opção muito mais saudável do que beber uma bebida esportiva fabricada, uma vez que muitas bebidas esportivas são carregadas com açúcar adicionado e outros ingredientes insalubres.

Por exemplo, uma porção de 1 xícara (237 ml) de Gatorade fornece 13 gramas de açúcar, que é 50% maior do que na mesma quantidade de água de coco (69, 72).

Resumindo: Beber água de coco é especialmente útil para a hidratação porque é rico em água e eletrólitos.

19. Queijo cottage

Conteúdo da água: 80%

O queijo cottage é outro produto lácteo saudável e nutritivo com propriedades hidratantes.

Cerca de 80% do peso do queijo cottage vem da água.

Ele também contém 25 gramas de proteína por 1 copo (225 gramas), o que é 50% das suas necessidades diárias (73).

Seu alto teor de água e proteína são uma das principais razões pelas quais é um alimento de saciedade que pode ajudar a reduzir o seu apetite (74, 75).

Além disso, o queijo cottage tem um perfil nutricional impressionante, fornecendo 36% de suas necessidades diárias de fósforo, 19% para cálcio e 31% para selênio em apenas 1 xícara (225 gramas) (73).

Além disso, o queijo cottage é uma ótima fonte de vitaminas B, incluindo riboflavina e vitamina B12, que são necessárias para a saúde cerebral, o metabolismo e manter os seus ossos saudáveis ​​ (76, 77, 78).

É fácil incorporar queijo cottage na sua dieta. Você pode misturá-lo com frutas, usá-lo como manteiga, adicioná-lo às saladas ou comê-lo com uma omelete.

Resumindo: O queijo cottage contém muita água e proteínas, além de vitaminas e minerais que podem fornecer benefícios para a saúde.

Concluindo

Manter-se hidratado é extremamente importante para a sua saúde geral.

Especialistas em saúde geralmente recomendam beber vários copos de água por dia para atender às suas necessidades de hidratação, mas o conteúdo de água dos alimentos é frequentemente ignorado.

Embora a água potável seja importante, você pode consumir uma quantidade significativa de água, incluindo uma variedade de frutas, vegetais e produtos lácteos ricos em água em sua dieta.

É por isso que a maioria das pessoas não precisa necessariamente beber muita água.

Enquanto você estiver comendo muitos alimentos ricos em água e bebendo água quando sentir sede, você não terá problemas para manter-se hidratado.

Receba as atualizações
em seu email

Depois de assinar nosso Feed. Você receberá as atualizações