8 Sinais e Sintomas de Deficiência de Proteína

Poucos nutrientes são tão importantes quanto as proteínas.

A proteína é o bloco de construção de seus músculos, pele, enzimas e hormônios, e desempenha um papel essencial em todos os tecidos do corpo.

A maioria dos alimentos contém algumas proteínas. Como resultado, a verdadeira deficiência protéica é rara em países desenvolvidos. No entanto, algumas pessoas ainda podem estar em risco.

A deficiência leva a vários problemas de saúde, enquanto a ingestão baixa de proteínas também pode ser uma preocupação, pois pode causar mudanças sutis em seu corpo ao longo do tempo.

Este artigo lista 8 sintomas de baixa ingestão ou deficiência de proteína.

O que é deficiência de proteínas?

8 Sinais e Sintomas de Deficiência de Proteína
A deficiência de proteína é quando sua ingestão é incapaz de atender aos requisitos do seu corpo.

Cerca de um bilhão de pessoas em todo o mundo sofrem de ingestão inadequada de proteínas (1).

O problema é especialmente grave na África Central e no Sul da Ásia, onde até 30% das crianças recebem pouca proteína da dieta (2).

Certas pessoas em países desenvolvidos também estão em risco. Isso inclui vegetarianos e veganos que seguem uma dieta desequilibrada, bem como pessoas idosas institucionalizadas e pacientes hospitalizados (3, 4).

Embora a verdadeira deficiência de proteína seja incomum no mundo ocidental, algumas pessoas recebem quantidades muito baixas de sua dieta.

Pouca proteína pode causar alterações na composição corporal que se desenvolvem durante um longo período de tempo, como o desperdício muscular.

A forma mais grave de deficiência protéica é conhecida como kwashiorkor. A maioria das vezes ocorre em crianças em países em desenvolvimento onde a fome e as dietas desequilibradas são comuns.

A deficiência de proteínas pode afetar quase todos os aspectos da função corporal. Como resultado, está associada a muitos sintomas.

Alguns desses sintomas podem começar a ocorrer mesmo quando a deficiência de proteína é marginal. Eles estão listados abaixo, juntamente com alguns sintomas típicos do kwashiorkor.

Resumindo: A deficiência de proteína é quando as pessoas não recebem quantidades adequadas de proteína da dieta. A Kwashiorkor, sua forma mais grave, é mais comum em crianças em países em desenvolvimento.

1. Edema

O edema, que se caracteriza por uma pele inchada é um sintoma clássico de kwashiorkor.

Os cientistas acreditam que é causada por baixas quantidades de albumina de soro humano, que é a proteína mais abundante na parte líquida do sangue ou plasma sanguíneo (5).

Uma das principais funções da albumina é manter a pressão oncótica - uma força que atrai fluido para a circulação sanguínea. Desta forma, a albumina evita que quantidades excessivas de líquido se acumulem nos tecidos ou outros compartimentos do corpo.

Devido aos níveis reduzidos de albumina de soro humano, a deficiência protéica grave leva a uma menor pressão oncótica. Como resultado, o fluido se acumula nos tecidos, causando inchaço.

Pelo mesmo motivo, a deficiência de proteína pode levar ao acúmulo de líquido dentro da cavidade abdominal. Uma barriga inchada é um sinal característico do kwashiorkor.

Tenha em mente que o edema é um sintoma de deficiência protéica severa, o que é improvável que ocorra em países desenvolvidos.

Resumindo: Os principais sintomas do kwashiorkor são edema e um abdômen inchado.

2. Fígado Gordo

Outro sintoma comum de kwashiorkor é um fígado gordo, ou acumulação de gordura nas células do fígado (6).

Sem tratamento, a condição pode se transformar em doença hepática gordurosa, causando inflamação, cicatrização hepática e potencial insuficiência hepática. Veja nesse artigo 11 Alimentos que são bons para o seu fígado

O fígado gordo é uma condição comum em pessoas obesas, bem como aqueles que consomem muito álcool (7, 8).

Por que isso ocorre em casos de deficiência protéica não é claro, mas estudos sugerem que uma síntese prejudicada de proteínas que transportam gordura, conhecidas como lipoproteínas, pode contribuir para a condição (9).

Resumindo: O fígado gordo é um dos sintomas do kwashiorkor em crianças. No pior dos casos, os cenários podem levar à insuficiência hepática.

3. Problemas de pele, cabelo e unhas

A deficiência de proteínas muitas vezes deixa sua marca na pele, cabelo e unhas, que são em grande parte feitas de proteína.

Por exemplo, o kwashiorkor em crianças se distingue pela pele escamosa ou dividida, vermelhidão e manchas de pele despigmentada (10, 11).

Enfraquecimento de cabelo, cor de cabelo desbotada, perda de cabelo (alopecia) e unhas frágeis também são sintomas comuns (12, 13).

Contudo, é improvável que estes sintomas apareçam a menos que você tenha uma deficiência protéica grave.

Resumindo: A deficiência grave de proteína pode afetar sua pele, causando vermelhidão, pele escamosa e despigmentação. Também pode causar unhas frágeis e perda de cabelo.

4. Perda de massa muscular

Seus músculos são o maior reservatório de proteínas do seu corpo.

Quando a proteína dietética é escassa, o corpo tende a tomar proteína dos músculos esqueléticos para preservar os tecidos e funções corporais mais importantes. Como resultado, a falta de proteína leva a perda muscular ao longo do tempo.

Até mesmo a insuficiência protéica moderada pode causar perda de músculo, especialmente em idosos.

Um estudo em homens e mulheres idosos descobriu que a perda muscular foi maior entre aqueles que consumiram as menores quantidades de proteína (14).

Isso foi confirmado por outros estudos que mostram que um aumento na ingestão de proteína pode retardar a degeneração muscular que vem com idade avançada (15).

Resumindo: A proteína é essencial para o crescimento e manutenção muscular. A perda de massa muscular é um dos primeiros sinais de ingestão inadequada de proteínas.

5. Maior risco de fraturas ósseas

Os músculos não são os únicos tecidos afetados pela baixa ingestão protéica.

Os seus ossos também estão em risco. Não consumir proteína suficiente pode enfraquecer os seus ossos e aumentar o risco de fraturas (16, 17, 18).

Um estudo em mulheres pós-menopáusicas descobriu que uma maior ingestão de proteína foi associada a um menor risco de fraturas do quadril. A maior ingestão foi associada a um risco reduzido de 69% e a proteína de origem animal parece ter os maiores benefícios (19).

Outro estudo em mulheres pós-menopáusicas com recentes fraturas de quadril mostrou que tomar 20 gramas de suplementos de proteína por dia durante meio ano diminuiu a perda óssea em 2,3% (20).

Resumindo: A proteína ajuda a manter a força e a densidade dos ossos. Insuficiência de ingestão de proteína tem sido associada a uma menor densidade mineral óssea e um risco aumentado de fraturas.

6. Atrofia o crescimento em crianças

A proteína não só ajuda a manter a massa muscular e osso, mas também é essencial para o crescimento corporal.

Assim, a deficiência ou a insuficiência é especialmente prejudicial para as crianças cujos corpos em crescimento requerem um fornecimento constante.

De fato, o não crescimento é o sinal mais comum de desnutrição infantil. Em 2013, estima-se que 161 milhões de crianças tenham sofrido crescimento atrofiado (21).

Estudos observacionais mostram uma forte associação entre baixa ingestão protéica e crescimento prejudicado (22, 23).

O crescimento atrofiado também é uma das principais características do kwashiorkor em crianças (24).

Resumindo: Uma ingestão insuficiente de proteína pode atrasar ou impedir o crescimento em crianças.

7. Aumento da gravidade das infecções

Um déficit de proteína também pode afetar o sistema imunológico.

A função imunológica imune pode aumentar o risco ou a gravidade das infecções, um sintoma comum de deficiência protéica grave (25, 26).

Por exemplo, um estudo em camundongos mostrou que, seguindo uma dieta consistindo apenas em 2% de proteína, estava associada a uma infecção por gripe mais grave, em comparação com uma dieta que forneceu 18% de proteína (27).

Mesmo a ingestão de proteína marginalmente baixa pode prejudicar a função imune. Um estudo pequeno em mulheres mais velhas mostrou que seguiu uma dieta com pouca proteína durante nove semanas reduziu significativamente sua resposta imune (28).

Resumindo: Comer pouca proteína pode prejudicar a capacidade do seu corpo para combater infecções, como o resfriado comum.

8. Grande Apetite e ingestão de calorias

Embora o apetite fraco seja um dos sintomas da deficiência protéica grave, o oposto parece ser verdade para formas mais leves de deficiência.

Quando sua ingestão de proteína é inadequada, seu corpo tenta restaurar seu estado protéico, aumentando o apetite, encorajando você a encontrar algo para comer (29, 30).

Mas um déficit de proteína não impulsiona o desejo de comer, pelo menos não para todos. Pode aumentar de forma seletiva o apetite das pessoas por alimentos salgados, que tendem a ser elevados em proteínas (31).

Embora isso possa certamente ajudar em tempos de falta de alimentos, o problema é que a sociedade moderna oferece acesso ilimitado a alimentos salgados e com alto teor calórico.

Muitos desses alimentos de conveniência contêm algumas proteínas. No entanto, a quantidade de proteína nestes alimentos é muitas vezes consideravelmente baixa em comparação com o número de calorias que eles fornecem.

Como resultado, uma ingestão de proteína fraca pode levar a ganho de peso e obesidade, uma ideia conhecida como hipótese de alavancagem de proteínas (32).

Nem todos os estudos apoiam a hipótese, mas a proteína é claramente mais saciante do que carboidratos e gordura (33, 34).

Isso faz parte da razão pela qual o aumento da ingestão de proteínas pode reduzir a ingestão calórica geral e promover a perda de peso (35, 36).

Se você está com fome o tempo todo e tem dificuldades em controlar a ingestão de calorias, tente adicionar algumas proteínas magra a cada refeição.

Resumindo: A baixa ingestão de proteínas pode aumentar o apetite. Embora um maior apetite seja benéfico em tempos de escassez de alimentos, isso pode promover ganho de peso e obesidade quando o alimento é abundante.

Quanto de proteína você precisa?

Nem todos têm a mesma necessidade de proteína. Depende de muitos fatores, incluindo peso corporal, massa muscular, atividade física e idade.

Contudo, o peso corporal é o determinante mais importante dos requisitos de proteína. Como resultado, as recomendações geralmente são apresentadas como gramas para cada libra ou quilograma de peso corporal.

A dose diária recomendada é de 0,4 gramas de proteína por cada libra de peso corporal (0,8 gramas por kg). Os cientistas estimam que isso deve ser suficiente para a maioria das pessoas.

Isso se traduz em 66 gramas de proteína por dia para um adulto pesando 165 kg (75 kg).

Para os atletas, o American College of Sports Medicine recomenda uma ingestão diária de proteínas que varia de 0,5 a 0,6 gramas por cada libra de peso corporal (1,2-1,4 gramas por kg), o que deve ser suficiente para manutenção muscular e treinamento de recuperação (37).

No entanto, os cientistas não concordam quanto é suficiente. A recomendação diária da Sociedade Internacional de Nutrição Esportiva é de 0,9 gramas de proteína por libra de peso corporal (2 gramas por kg) para atletas (38).

Assim como os atletas, os adultos mais velhos também parecem ter maiores requisitos de proteína.
Enquanto a dose diária recomendada é atualmente a mesma para adultos idosos e jovens, os estudos indicam que está subestimado e deve ser aumentado para 0,5 a 0,7 gramas por libra de peso corporal (1,2-1,5 gramas por kg) para pessoas idosas (39, 40).

Simplificando, se você é mais velho ou fisicamente ativo, seus requisitos diários de proteína são provavelmente superiores as doses diárias recomendadas atuais de 0,4 gramas por libra de peso corporal (0,8 gramas por kg).

As fontes mais ricas de proteína incluem peixes, carne, ovos, produtos lácteos e leguminosas.

Resumindo: A dose diária recomendada para proteína é de 0,4 gramas por libra (0,8 gramas por kg). No entanto, estudos mostram que os requisitos podem ser maiores para atletas e adultos mais velhos. Exatamente quanto é melhor é uma questão de debate.

Conclusão

A proteína é encontrada em todos os lugares do seu corpo. Seus músculos, pele, cabelo, ossos e sangue são em grande parte feitos de proteína.

Por esta razão, a deficiência de proteínas possui uma ampla gama de sintomas.

A deficiência grave de proteína pode causar inchaço, fígado gorduroso, degeneração da pele, aumentar a gravidade das infecções e a atrofia do crescimento em crianças.

Embora a deficiência real seja rara em países desenvolvidos, a baixa ingestão pode causar perda muscular e aumentar o risco de fraturas ósseas.

Algumas evidências sugerem que a obtenção de pouca proteína pode aumentar o apetite e promover excessos e obesidade.

Para uma saúde ideal, certifique-se de incluir alimentos ricos em proteínas em cada refeição.
8 Sinais e Sintomas de Deficiência de Proteína 8 Sinais e Sintomas de Deficiência de Proteína Reviewed by Sadestar Saúde on outubro 31, 2017 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.