Álcool e Pressão Arterial: Quais são os efeitos?

A relação entre o uso a longo prazo dos níveis de álcool e a pressão arterial é uma preocupação médica importante, uma vez que as bebidas alcoólicas são comumente consumidas pela maioria das culturas do mundo e um em cada oito adultos brasileiros (12,7%) sofrem de abuso de álcool.

O consumo crônico de álcool pode ter efeitos prejudiciais no fígado, no trato digestivo e no sistema vascular, o que leva a níveis elevados da pressão arterial. Isso aumenta o risco de graves problemas cardiovasculares, como ataque cardíaco e acidente vascular cerebral.

A ligação entre o álcool e os níveis de pressão arterial foi documentada pela primeira vez no início dos anos 1900. Dezenas de estudos desde então têm trabalhado para estabelecer o mecanismo fisiológico por trás do relacionamento, e a pesquisa ainda está em andamento.

Como o álcool afeta a pressão arterial?

Álcool e Pressão Arterial: Quais são os efeitos?
Numerosos estudos sobre hipertensão arterial e seus fatores de risco revelaram uma estreita ligação entre a doença e o consumo de álcool.

Ao consumir mais de três bebidas ao mesmo tempo, causa um aumento temporário da pressão arterial, o consumo excessivo de álcool parece resultar em picos de longo prazo.

Os pesquisadores acreditam que a pressão arterial aumenta em cerca de 1 mm Hg (milímetro de mercúrio) por cada 10 gramas de álcool consumido. Duas a quatro semanas de abstinência retornarão os níveis ao normal.

No entanto, a pergunta, "Como o álcool aumenta a pressão arterial?" Ainda não foi respondida com certeza científica. Uma revisão abrangente publicada no World Journal of Cardiology em 2014 tentou mostrar causa.

Possíveis fatores contribuintes incluem uma ruptura do sistema nervoso central; um mau funcionamento dos barorreceptores, que regulam a pressão sanguínea; hiperatividade do sistema nervoso simpático; aceleração do sistema renina-angiotensina; níveis elevados de cortisol; um aumento da atividade vascular; e inflamação e estresse oxidativo nas paredes dos vasos sanguíneos.

1. Sistema nervoso central

Os níveis de pressão arterial podem aumentar à medida que o álcool estimula uma reação conjunta do sistema nervoso central e do sistema nervoso periférico. A substância também pode aumentar a circulação sanguínea à medida que o hormônio liberador de corticotropina induzido pelo estresse é emitido.

Isso pode ser observado durante o período de suspensão do álcool, resultando em elevação da pressão arterial.

2. Baroreceptores

Os barorreceptores reconhecem mudanças na pressão arterial dentro dos vasos sanguíneos e tentam equilibrar o fluxo de circulação. O álcool mostrou prejudicar a sensibilidade dos barorreceptores.

3. Sistema nervoso simpático

O álcool pode aumentar a pressão arterial, pois aumenta o sistema nervoso simpático para liberar aminas simpáticas. Isso pode incluir estimular a liberação da hormona adrenalina, que acelera a frequência cardíaca e os níveis de pressão arterial.

4. Sistema renina-angiotensina

O sistema renina-angiotensina desempenha um papel importante na pressão sanguínea e na regulação do nível de fluido. Uma questão de pressão sanguínea com álcool pode ser causada pelo consumo de álcool que desencadeia um aumento na atividade da renina plasmática.

A hiperatividade da enzima renina estimula a produção de angiotensina II, conhecida como AII. Este hormônio tem um efeito restritivo sobre os vasos sanguíneos, fazendo com que eles se estreitem. Também encoraja a glândula adrenal a liberar aldosterona, que eleva o teor de fluido e sódio dentro do sangue.

5. Cortisol

O cortisol é um dos hormônios liberados pela glândula adrenal quando o corpo está sob estresse físico ou mental. Esta ação pode dificultar os processos metabólicos enquanto aumenta a pressão arterial à medida que os vasos sanguíneos são apertados.

O abuso de álcool aumenta os níveis de cortisol, já que o álcool faz com que a glândula pituitária libere o hormônio adrenocorticotrófico. Em grandes quantidades, este hormônio força os vasos sanguíneos a estreitar-se, provocando um aumento da pressão arterial.

6. Endotélio e estresse oxidativo

As células dentro dos revestimentos interiores dos vasos sanguíneos, conhecidas como células do endotélio, podem ser diretamente afetadas por níveis de aumento do estresse oxidativo devido à pressão arterial induzida pelo álcool.

Como o consumo excessivo de álcool pode causar inflamação das células do endotélio, os vasos sanguíneos perdem elasticidade, uma vez que a constrição das passagens é estimulada. A produção de óxido nítrico, exigido pelas células do endotélio, pode ser reduzida.

Quanta de álcool é seguro para pacientes com hipertensão?

O álcool tem sido bem estudado em relação à pressão arterial elevada e, embora alguns estudos clínicos sugerem que o consumo moderado pode ser usado para baixar a pressão arterial, a maioria dos especialistas recomendam abster-se de qualquer uso de álcool para manter uma boa saúde geral.

Além de aumentar o risco de problemas cardiovasculares, consumir mais de três bebidas alcoólicas diariamente pode aumentar o risco de pressão arterial elevada em 70%.

Cortar o álcool pode ser um desafio para os grandes bebedores, enquanto aqueles que bebem socialmente podem evitar o álcool com mais facilidade.

Pacientes com hipertensão que precisam limitar seu álcool devem fazê-lo a um ritmo lento e constante. Reduzir as bebidas ao longo de várias semanas, uma vez que a pressão arterial pode aumentar significativamente se os bebedores pesados ​​pararem de usar abruptamente.

Pacientes com pressão arterial elevada que consomem álcool são aconselhados a limitar as bebidas de acordo com a idade e a condição de saúde existente.

A moderação é fundamental e pode ser definida como duas bebidas alcoólicas diariamente para homens com menos de 65 anos e um copo diário para homens mais velhos. As mulheres são aconselhadas a limitar as bebidas alcoólicas a um por dia a qualquer idade.

Uma bebida pode ser de 300ml. Copo de cerveja, um copo de 150ml. Copo de vinho, ou um copo de 50 ml.

Você pode beber álcool com remédio para pressão arterial?

A maioria dos medicamentos prescritos e de venda livre vem com uma advertência de rotina contra o uso de álcool. Mas como o álcool afeta a medicação de pressão arterial em particular?

Primeiro, é importante saber que cada droga de hipertensão funciona para níveis mais baixos de uma maneira única.
  • Os inibidores da enzima conversora de angiotensina (ECA) regulam os hormônios da pressão arterial.
  • Os bloqueadores dos receptores da angiotensina II, ou ARB, controlam os hormônios relacionados à pressão arterial, de forma semelhante aos inibidores da ECA.
  • Os bloqueadores dos canais de cálcio ajudam a expandir o revestimento das paredes dos vasos sanguíneos, o que vê uma queda nos níveis de pressão arterial.
  • Os diuréticos tiazídicos removem o excesso de fluido para regular o fluxo de sangue.
Certos casos de pressão alta podem exigir um regime de mais de um desses medicamentos. O uso de álcool pode dificultar a eficácia dos medicamentos.

O álcool combinado com as propriedades químicas da medicação para pressão arterial pode causar sonolência grave, tonturas, dores de cabeça e fraqueza muscular.

A retirada do álcool pode causar aumento da pressão arterial?

Limitar ou evitar o uso de álcool em qualquer quantidade pode melhorar notavelmente a saúde de alguém, pois o risco para todas as condições cardiovasculares diminui.

Abster-se do consumo de álcool é uma forma de aumentar a pressão arterial para alguns pacientes. Este método pode produzir sintomas de síndrome de abstinência alcoólica (AWS), que incluem um aumento da pressão arterial.

Embora seja um sintoma temporário, o aumento repentino da pressão arterial pode ser acompanhado por outros sintomas.

Aqueles que consomem quantidades excessivas de álcool podem ver uma diminuição nos níveis de pressão arterial após o pico de curto prazo, de acordo com um estudo.

O estudo centrou-se nos níveis de pressão arterial dos pacientes após um período de 48 horas sem consumo de álcool. Os participantes com aumento temporário da pressão sanguínea viram sintomas leves a graves, incluindo confusão, convulsões, febre alta e alucinações. Estes sintomas, juntamente com uma maior leitura da pressão arterial, duraram até 12 dias.

Pesquisa diz que o vinho tinto sem álcool pode diminuir a pressão arterial

As mídias sociais e alguns médicos promovem o vinho tinto como uma ferramenta poderosa na luta contra a doença cardíaca.

No que diz respeito à redução da pressão arterial elevada, um estudo clínico sugere que o vinho tinto não alcoólico pode oferecer melhores resultados.

Conforme relatado na Circulation Research, o álcool pode dificultar a função dos antioxidantes, conhecidos como polifenóis, encontrados no vinho tinto. Este antioxidante demonstrou diminuir os níveis de pressão arterial.

Este estudo envolveu dois grupos de controle de homens que consumiram vinho tinto alcoólico e não alcoólico. Enquanto a bebida alcoólica resultou em uma pequena queda na pressão arterial, a bebida não alcoólica produziu uma diminuição significativa nos níveis.

Os resultados sugerem que o vinho tinto não alcoólico expandiu os vasos sanguíneos para melhorar a circulação aumentando os níveis de óxido nítrico no sangue. Este gás produzido naturalmente é responsável pelo relaxamento dos vasos sanguíneos.

Álcool e Pressão Arterial: Pensamentos finais

Embora o álcool possa ter um efeito profundo nos níveis de pressão arterial, os resultados do uso a longo prazo variam entre os indivíduos e dependem de quaisquer condições de saúde existentes que possam ter.

Os cientistas acreditam que o álcool aumenta a força do sangue contra as paredes da artéria devido aos seus efeitos sobre o sistema nervoso central, barorreceptores, sistema nervoso simpático, sistema renina-angiotensina, hormônios do estresse e células endoteliais. A causa exata por trás disso ainda não foi determinada.

A hipertensão pode ser gerenciada e reduzida, seguindo um estilo de vida saudável, dieta e limitando a ingestão de álcool.

Fontes pesquisadas
  1. Husain, K., et al., “Alcohol-induced hypertension: Mechanism and Prevention,” World Journal of Cardiology, May 2014, 6(5):245-252;https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4038773/, last accessed January 26, 2018.
  2. Sheps, S.G., MD, “Alcohol: Does it affect blood pressure?” Mayo Clinic; https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/high-blood-pressure/expert-answers/blood-pressure/faq-20058254, last accessed January 26, 2018.
  3. Puddey, I., et al., “Alcohol is bad for blood pressure,” Clinical and Experimental Pharmacology & Physiology, Sept. 2006, 33(9):847-52;https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16922819,  last accessed January 26, 2018.
  4. Draper, Dr. L., “How does alcohol affect blood pressure?” Superdrug Online Doctor; https://onlinedoctor.superdrug.com/high-blood-pressure-and-alcohol.html, last accessed January 26, 2018.
  5. Soardo, G., et al., “Effects of alcohol withdrawal on blood pressure in hypertensive heavy drinkers,” Journal of Hypertension, Aug. 2006, 24(8):1493-8;https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16877950,  last accessed January 26, 2018.
  6. “Alcohol withdrawal syndrome”, Wikipedia; https://en.wikipedia.org/wiki/Alcohol_withdrawal_syndrome#Progression, last accessed January 26, 2018.
  7. Godman, H., “Non-alcoholic red wine may lower blood pressure,” Harvard Health Publishing Harvard Medical School, September 12, 2013;https://www.health.harvard.edu/blog/non-alcoholic-red-wine-may-lower-blood-pressure-201209125296, last accessed January 26, 2018.
  8. “Non-alcoholic red wine may help reduce high blood pressure,” Medical Xpress, September 6, 2012; https://medicalxpress.com/news/2012-09-non-alcoholic-red-wine-high-blood.html, last accessed January 26, 2018.
  9. Ingraham, C., “One in eight American adults is an alcoholic, study says,” The Washington Post, August 11, 2017;https://www.washingtonpost.com/news/wonk/wp/2017/08/11/study-one-in-eight-american-adults-are-alcoholics/?utm_term=.fa503be61219, last accessed January 26, 2018.
Álcool e Pressão Arterial: Quais são os efeitos? Álcool e Pressão Arterial: Quais são os efeitos? Reviewed by Sadestar Saúde on fevereiro 10, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.