Uma vez que as vibrações de um novo relacionamento acabam, para muitos, o mundo da vida cotidiana se instala. Mas como você mantém a faísca viva?

O sexo é um fator chave na maioria dos relacionamentos românticos. De fato, no início deste ano, o Medical News Today informou que o "brilho" que os casais recém-casados ​​sentem por até 2 dias depois de ter relações sexuais está associado a uma maior satisfação conjugal.

Mas na semana passada, um novo estudo mostrou que 34% das mulheres e 15% dos homens que tinham vivido com o parceiro há pelo menos um ano perderam o interesse pelo sexo.

Satisfação Sexual a Longo Prazo: Qual é o Segredo?

Existem muitos fatores que podem afetar o desejo sexual. Descubra quanto sexo tem o maior efeito sobre a felicidade, porque algumas pessoas perdem o interesse e quais fatores contribuem para a satisfação sexual a longo prazo.

Quanto sexo é suficiente?

Em um artigo de 2016, Amy Muise, Ph.D. - explica que há muitas evidências de que "quanto mais sexo as pessoas relataram, mais felizes elas se sentem".

No entanto, a Dra. Muise também questiona se tentar fazer sexo com a maior frequência possível, na verdade, vai ter o efeito desejado, particularmente à luz das vidas ocupadas que muitas pessoas levam.

A pressão de fazer sexo frequente atrapalha a felicidade?

A Dra. Muise relata uma relação clara entre a frequência do sexo e a felicidade. O que ela descobriu foi que as pessoas que faziam sexo uma vez por semana ou mais frequentemente eram significativamente mais felizes do que aquelas que faziam sexo com menos frequência.

Mas os participantes do estudo que fizeram sexo em várias ocasiões por semana não eram mais felizes do que aqueles que fizeram sexo uma vez por semana.

Os resultados foram verdadeiros para indivíduos que estavam em um relacionamento romântico, incluindo mulheres, participantes mais velhas e aqueles em relacionamentos de longo prazo que tendem a fazer menos sexo.

Curiosamente, fazer sexo teve um efeito maior sobre a felicidade dos participantes do que a renda. Então, se o sexo nos faz felizes, por que tantas pessoas perdem o interesse?

Quem perde interesse em sexo?

Há muitas evidências de que estar em um relacionamento de longo prazo, ser mulher e aumentar a idade estão ligados a uma queda na frequência sexual.

No ano passado, a MNT relatou que o desejo sexual das mulheres diminuiu em relacionamentos de longo prazo. No entanto, ao longo do período de estudo de 7 anos, a capacidade dos participantes para atingir o orgasmo melhorou - especialmente naqueles que estiveram no mesmo relacionamento todo o tempo.

Assim, para as mulheres, ficar com um parceiro significa melhores orgasmos, mas menos interesse por sexo, de acordo com a pesquisa.

Na semana passada, reportamos um novo estudo publicado no BMJ Open que acrescenta ao corpo de evidências mostrando que o interesse das mulheres no sexo diminui nos relacionamentos.

A professora Cynthia Graham, do Centro de Pesquisa em Saúde Sexual da Universidade de Southampton, no Reino Unido, descobriu que mais de 34% das mulheres que viveram com o parceiro há pelo menos 1 ano não tinham interesse em sexo, enquanto apenas 15% dos homens tinham.

Os maiores fatores

O Prof. Graham identificou vários fatores que estavam associados à queda no desejo sexual encontrada em seu estudo.

Para as mulheres, estas tinham filhos pequenos, estavam grávidas no último ano, moravam com o parceiro, mantinham um relacionamento mais longo, não compartilhavam o mesmo nível de interesse sexual e não compartilhavam as mesmas preferências sexuais.

Para ambos os sexos, condições de saúde (incluindo depressão), não se sentir perto de seu parceiro durante o sexo, ser menos feliz com seu relacionamento e ter sexo com menos frequência do que o interesse deles contribuíram para uma queda no interesse sexual.

A idade foi outro fator. Homens experimentaram os menores níveis de interesse em sexo entre as idades de 35 e 44, enquanto que para as mulheres, isso foi entre 55 e 64.

Julia Velten, Ph.D. - uma pesquisadora de pós-doutorado no Centro de Pesquisa e Tratamento da Saúde Mental da Ruhr University Bochum, na Alemanha - relatou que quando os homens achavam que seu parceiro esperava que eles sempre iniciassem sexo, isso afetava negativamente sua satisfação sexual.

A discrepância do desejo sexual, que é a diferença entre a frequência real e desejada do sexo, foi um fator negativo para homens e mulheres.

A função sexual também desempenhou um papel para os casais no estudo do Dr. Velten. Os homens foram afetados pela falta de função sexual do parceiro, como a falta de excitação, enquanto as mulheres foram mais afetadas pelo sofrimento do parceiro em relação ao seu próprio problema sexual, como a disfunção erétil.

Como a masturbação se encaixa nesse quadro?

Neste tópico, os resultados da pesquisa não estão de acordo. Em um estudo envolvendo casais que moram em Praga, Kateřina Klapilová, Ph.D. - do Departamento de Antropologia Geral da Universidade Charles, em Praga - descobriu que, para as mulheres, a masturbação afetava negativamente sua satisfação sexual.

Mas a masturbação não teve efeito sobre os homens nesses casais.

Enquanto isso, o Prof. Graham descobriu que homens que haviam se masturbado recentemente estavam menos interessados ​​em sexo, enquanto a masturbação não estava relacionada a uma mudança no impulso sexual das mulheres.

O Prof. Graham disse à MNT que em sua pesquisa anterior, ela havia "encontrado diferenças marcantes de gênero em fatores associados à frequência de masturbação em homens e mulheres".
Ela acrescentou que "quando os homens estão tendo menos sexo em parceria, eles tendem a se masturbar com mais frequência, enquanto o inverso é verdadeiro para as mulheres".

Com 51,7% dos participantes do sexo masculino e 17,8% das mulheres relatando ter se masturbado nos sete dias anteriores às entrevistas do estudo, esse é claramente um fator importante em muitos relacionamentos.

Mas o quanto a masturbação contribui ou distrai da satisfação sexual a longo prazo continua a ser pesquisado.

Com níveis significativos de homens e mulheres relatando uma queda no interesse sexual e satisfação, existe um segredo para manter a faísca viva?

O segredo da satisfação sexual

O estudo da Dra. Klapilová descobriu que, tanto para homens quanto para mulheres, o coito peniano-vaginal e a consistência de poder atingir o orgasmo vaginal estavam associados à satisfação sexual.

Ela aponta para o "papel especial que o orgasmo vaginal (distinto de outros gatilhos para o orgasmo) teve em manter relações íntimas de maior qualidade".

Anik Debrot, Ph.D. - juntamente com o Dr. Muise e outros colegas da Universidade de Toronto Mississauga - estudaram recentemente a ligação entre afeto e atividade sexual.

Em seu trabalho de estudo, publicado este ano no Boletim de Personalidade e Psicologia Social, ela explica que "ao se envolver em sexo, as pessoas não apenas buscam uma conexão íntima, mas de fato sentem mais carinho, tanto quando fazem sexo quanto nas próximas algumas horas".

"Assim, o sexo dentro dos relacionamentos românticos fornece uma maneira significativa para as pessoas experimentarem uma forte conexão com o parceiro", acrescenta ela.

Para ela, isso indica que o sexo é importante nos relacionamentos amorosos por causa dos benefícios emocionais que sentimos. Dr. Debrot sugere: "[Quando o sexo pode ser prejudicado], o carinho pode ajudar a manter o bem-estar, apesar da diminuição da frequência sexual".

O efeito do tempo

Um estudo da professora Julia Heiman, do Departamento de Psicologia e Ciências do Cérebro da Universidade de Indiana, em Bloomington, estudou 1.000 casais em cinco países (Brasil, Alemanha, Japão, Espanha e Estados Unidos).

Embora a duração dos relacionamentos dos casais variasse de 1 a 51 anos, metade estava junto há pelo menos 25 anos.

A professora Heiman descobriu que "mulheres relataram significativamente mais satisfação sexual do que homens e homens mais satisfação no relacionamento". Em particular, "os homens que valorizavam o orgasmo de seus parceiros eram mais propensos a relatar felicidade no relacionamento".

A satisfação sexual das mulheres aumentou de 40% no início do relacionamento para 86%, uma vez que elas estavam com o parceiro há 40 anos.

A partir desses estudos, o sexo peniano-vaginal, o afeto e o tempo gasto no relacionamento são ingredientes-chave para uma vida sexual feliz. Mas há mais um fator que pode ser fundamental: comunicação aberta.

Falando sobre sexo

No estudo da Dra. Velten, a comunicação aberta sobre desejos e frequências sexuais teve um efeito positivo na qualidade do sexo que os participantes relataram.

Da mesma forma, os participantes do estudo da Professora Graham, que acharam fácil falar sobre sexo com o parceiro, estavam mais interessados ​​em sexo.

Ela disse à MNT que "[suas] descobertas ressaltam que a comunicação aberta com um parceiro sobre sexo é uma das coisas mais importantes que você pode fazer para tentar manter o interesse sexual em um relacionamento".

Os desejos e preferências sexuais são, por natureza, intrinsecamente pessoais e individuais. A pesquisa nesse campo é complexa e, embora os estudos possam mostrar associações e tendências, eles não serão capazes de separar as razões da satisfação sexual de um indivíduo.

"Eu não acho que haja qualquer 'segredo' para a satisfação sexual a longo prazo! A sexualidade humana é muito diversa e 'fluida' para que isso aconteça - mas [...] a comunicação aberta sobre sexo com um parceiro deve de alguma forma impedir que problemas sexuais se desenvolvam".

Falar sobre sexo pode ser um bom ponto de partida. Encontrar uma maneira de encaixar o sexo nas pressões da vida diária pode ser um desafio, mas o afeto e o tempo juntos podem ajudar.

Postar Comentário

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Postagem Anterior Próxima Postagem