9 grãos sem glúten que são super saudáveis

O glúten é uma proteína encontrada em certos tipos de grãos, incluindo trigo, cevada e centeio. Ele fornece elasticidade, permite que o pão aumente e dê aos alimentos uma textura mastigável (1, 2).

Embora o glúten não seja um problema para a maioria das pessoas, alguns podem não o tolerar bem.

A doença celíaca é uma doença autoimune que desencadeia uma resposta imune ao glúten. Para aqueles com esta doença ou uma sensibilidade ao glúten, comer glúten pode causar sintomas como inchaço, diarreia e dor estomacal (3).

Muitos dos grãos mais consumidos contêm glúten. No entanto, também existem muitos grãos nutritivos disponíveis sem glúten.

9 grãos sem glúten que são super saudáveis


Este artigo listará 9 grãos sem glúten que são super saudáveis.

1. Sorgo

O sorgo é tipicamente cultivado tanto como grão de cereal quanto alimentação animal. Também é usado para produzir xarope de sorgo, um tipo de adoçante, bem como algumas bebidas alcoólicas.

Este grão sem glúten contém compostos benéficos de plantas que atuam como antioxidantes para reduzir o estresse oxidativo e diminuir o risco de doença crônica (4).

Um estudo de tubo de ensaio e animal de 2010 revelou que o sorgo possui propriedades anti-inflamatórias significativas devido ao alto teor destes compostos vegetais (5).

Além disso, o sorgo é rico em fibras e pode ajudar a diminuir a absorção de açúcar para manter os níveis de açúcar no sangue constantes.

Um estudo comparou níveis de açúcar no sangue e insulina em 10 participantes depois de comer um muffin feito com sorgo ou farinha de trigo integral. O muffin de sorgo levou a uma maior redução em açúcar no sangue e insulina do que o muffin integral (6).

Um copo (192 gramas) de sorgo contém 12 gramas de fibra, 22 gramas de proteína e quase metade do ferro que você precisa em um dia (7).

O sorgo tem um sabor suave e pode ser moído em uma farinha para assar produtos sem glúten. Também pode substituir a cevada em receitas como a sopa de cogumelo e cevada.

Resumindo: Vários estudos mostraram que o sorgo é rico em compostos vegetais e pode ajudar a reduzir tanto a inflamação quanto o açúcar no sangue.

2. Quinoa

A quinoa tornou-se rapidamente um dos grãos sem glúten mais populares. É incrivelmente versátil e rica em fibras e proteínas vegetais.

É também um dos grãos mais saudáveis, com uma grande quantidade de antioxidantes que podem ser benéficos na redução do risco de doença (8).

Além disso, a quinoa é rica em proteínas e é um dos poucos alimentos vegetais considerados uma proteína completa.

Embora a maioria dos alimentos vegetais esteja faltando em um ou dois dos aminoácidos essenciais requeridos por seu corpo, a quinoa contém todos os oito. Isso torna uma excelente fonte de proteína vegetal (9).

Um copo (185 gramas) de quinoa cozida fornece 8 gramas de proteína e 5 gramas de fibra. É embalada com micronutrientes também e cumpre muitos dos seus requisitos diários de magnésio, manganês e fósforo (10).

A quinoa é o ingrediente perfeito para fazer crostas sem glúten e caçarolas. A farinha de quinoa também pode ser usada para fazer panquecas, tortilhas ou pão rápido.

Resumindo: A quinoa contém uma boa quantidade de antioxidantes. É também um dos poucos alimentos vegetais que contém todos os aminoácidos essenciais.

3. Milheto

Embora mais conhecido como ingrediente básico na semente de pássaro, o milheto é um grão antigo muito nutritivo que pode proporcionar muitos benefícios para a saúde.

Um estudo em animais descobriu que alimentar milheto em ratos diminuiu os triglicerídeos sanguíneos e a inflamação (11).

Outro estudo analisou os efeitos do milheto nos níveis de açúcar no sangue em seis pacientes diabéticos. Descobriu que o milheto resultou em uma menor resposta glicêmica e níveis mais baixos de açúcar no sangue em comparação com arroz e trigo (12).

Um copo (174 gramas) de milheto cozido contém 2 gramas de fibra, 6 gramas de proteína mais 19% de sua necessidade diária de magnésio (13).

Você pode incorporar o milheto em seu café da manhã com uma tigela quente de mingau. Além disso, você pode usar farinha de milheto ou farinha de milheto para cozinhar falafel, pão ou croquetes.

Resumindo: Estudos em animais e humanos descobriram que o milheto pode diminuir os triglicerídeos no sangue, inflamação e açúcar no sangue.

4. Aveia

A aveia é muito saudável. Ela também se destaca como uma das melhores fontes de beta-glucano, um tipo de fibra solúvel com vantagens para a saúde.

Uma revisão de 28 estudos descobriu que o beta-glucano efetivamente diminuiu o LDL "ruim" e o colesterol total sem afetar o "bom" colesterol HDL (14).

Outros estudos mostraram que o beta-glucano pode retardar a absorção de açúcar e baixar os níveis de açúcar no sangue e insulina  (15, 16).

1/4 de xícara (39 gramas) de aveia seca fornece 4 gramas de fibra e 7 gramas de proteína. Ela também fornece fósforo, magnésio e vitaminas do B, também (17).

Embora a aveia seja naturalmente sem glúten, muitas marcas de aveia contêm glúten devido à contaminação de como elas são cultivadas e processadas.

Se você tem doença celíaca ou uma sensibilidade ao glúten, certifique-se de procurar aveia certificada como sem glúten.

Uma tigela quente de aveia é a maneira mais popular de desfrutar da aveia, mas você também pode adicionar aveia a panquecas, barras de granola ou parfaits para absorver fibras e nutrientes extras.

Resumindo: A aveia contém beta-glucano, que pode diminuir o colesterol no sangue e ajudar a regular os níveis de açúcar no sangue.

5. Trigo sarraceno

Apesar do seu nome, o trigo sarraceno ou mourisco é uma semente tipo grão sem glúten e sem relação com o trigo.

Ele fornece muitos antioxidantes, incluindo grandes quantidades de dois tipos específicos: rutina e quercetina (18).

Alguns estudos em animais sugeriram que a rutina pode ser benéfica na redução dos sintomas da doença de Alzheimer. Enquanto isso, a quercetina demonstrou reduzir a inflamação e o estresse oxidativo (19, 20).

Comer trigo sarraceno também pode ajudar a reduzir alguns fatores de risco para doença cardíaca.

Em um estudo, a ingestão de trigo mourisco foi associada com menor colesterol LDL total e "ruim", mais uma proporção maior de HDL "bom" e colesterol total (21).

Outro estudo teve descobertas semelhantes, mostrando que aqueles que comeram trigo sarraceno apresentaram menor risco de hipertensão arterial, colesterol elevado e alto nível de açúcar no sangue (22).

Um copo (170 gramas) de trigo sarraceno entrega 17 gramas de fibra, 23 gramas de proteína e mais de 90% de magnésio, cobre e manganês que você precisa para o dia inteiro (23).

Experimente o macarrão sobá feito de trigo sarraceno sem glúten para massas tradicionais. Ou use o trigo sarraceno para adicionar um pouco de crocancia às sopas, saladas ou até hambúrgueres vegetarianos.

Resumindo: O trigo sarraceno é rico em antioxidantes e tem sido associado a reduções nos fatores de risco de doença cardíaca, como os níveis de colesterol no sangue.

6. Amaranto

O amaranto tem uma história rica como um dos alimentos básicos para as civilizações inca, maya e asteca. Além disso, é um grão altamente nutritivo com alguns benefícios impressionantes para a saúde (24).

Um estudo de 2014 descobriu que os compostos no amaranto eram efetivos no bloqueio da inflamação em humanos e camundongos, impedindo a ativação de uma via que desencadeia inflamação (25).

Graças ao seu elevado teor de fibras, o amaranto também pode diminuir vários fatores de risco de doença cardíaca.

Na verdade, um estudo em um animal descobriu que as sementes de amaranto diminuíram os triglicerídeos sanguíneos e os níveis de colesterol LDL "ruins" (26).

Um copo (246 gramas) de amaranto cozido contém 5 gramas de fibra mais 9 gramas de proteína. Ele também atende 29% das suas necessidades diárias de ferro e contém uma boa quantidade de magnésio, fósforo e manganês (27).

Você pode usar amaranto como um substituto para outros grãos, como arroz ou cuscuz. O amaranto que foi cozido e depois refrigerado também pode ser usado em lugar de amido de milho como agente espessante para sopas, geleias ou molhos.

Resumindo: Alguns estudos mostram que o amaranto pode ser eficaz na redução da inflamação e na redução de vários fatores de risco para doença cardíaca.

7. Tefe

Como o menor grão do mundo, o tefe é um grão minúsculo, mas poderoso.

Apesar de ser apenas 1/100 do tamanho de uma semente de trigo, o tefe embala uma potência nutricional.

O tefe é rico em proteínas, o que pode ajudar a promover a saciedade, reduzir os anseios e aumentar o metabolismo (28, 29, 30).

Ele também atende uma boa parte das suas necessidades diárias de fibra. A fibra é uma parte importante da dieta e está associada à perda de peso, ao apetite reduzido e à regularidade melhorada (31, 32, 33).

Um copo (252 gramas) de tefe cozido contém 10 gramas de proteína e 7 gramas de fibra. Ele também fornece muitas vitaminas B, especialmente a tiamina (34).

Para assar sem glúten, tente substituir o tefe em parte ou no todo pela farinha de trigo. O tefe também pode ser misturado no chili, transformado em mingau ou usado como forma natural de engrossar pratos.

Resumindo: O tefe é o grão mais pequeno do mundo, mas é rico em fibras e proteínas. Ambos os nutrientes são essenciais para a saúde e vêm com muitos benefícios.

8. Milho

O Milho está entre os mais populares grãos de cereais sem glúten consumidos em todo o mundo.

Além de ser rico em fibras, o milho é também um dos poucos alimentos que contém os carotenóides luteína e zeaxantina, pigmentos vegetais que atuam como antioxidantes (35).

Estudos mostram que a luteína e a zeaxantina podem beneficiar a saúde dos olhos ao diminuir o risco de catarata e degeneração macular relacionada com a idade, duas causas comuns de perda de visão em adultos mais velhos (36).

Um estudo descobriu que aqueles com alta ingestão de carotenóides tinham um risco 43% menor de degeneração macular relacionada à idade em comparação com aqueles com baixa ingestão (37).

1/2 xícara (83 gramas) de milho amarelo contém 6 gramas de fibra e 8 gramas de proteína. Também é rico em magnésio, vitamina B6, tiamina, manganês e selênio (38).

O milho pode ser cozido, grelhado ou assado para um prato saudável para uma refeição bem equilibrada.

Resumindo: O milho é rico em fibras e uma boa fonte de luteína e zeaxantina, dois carotenóides que estão associados a um menor risco de doença ocular.

9. Arroz integral

Embora o arroz branco e o castanho venham do mesmo grão, o arroz branco teve o farelo e o germe do grão removidos durante o processamento.

O arroz integral, portanto, tem mais fibras e uma maior quantidade de micronutrientes, tornando-se um dos grãos sem glúten mais saudáveis.

Ambas as variedades de arroz são sem glúten, mas estudos mostram que a substituição de arroz branco por arroz integral vem com benefícios adicionais para a saúde.

De fato, o arroz integral no lugar do arroz branco pode levar a uma diminuição do risco de diabetes, aumento de peso e doença cardíaca (39, 40, 41).

Um copo (195 gramas) de arroz integral contém 4 gramas de fibra e 5 gramas de proteína. Ele também fornece uma boa parte das suas necessidades diária de magnésio e selênio (42).

O arroz integral é um delicioso prato sozinho ou pode ser combinado com vegetais e uma fonte magra de proteína para criar uma refeição de saciedade.

Resumindo: O arroz integral é rico em fibras e está associado a um menor risco de diabetes, aumento de peso e doença cardíaca quando usado no lugar do arroz branco.

Concluindo

Quando você tem doença celíaca ou uma sensibilidade ao glúten, seguir uma dieta sem glúten pode ser um desafio.

No entanto, existem muitas opções sem glúten disponíveis para substituir o trigo.

Desde fornecer antioxidantes para reduzir o risco de doença, esses grãos nutritivos sem glúten podem ser extremamente benéficos para sua saúde.

Nenhum comentário:

Postar um comentário