Colestase Intra-Hepática da Gravidez: Sintomas e Tratamento

A colestase obstétrica, também conhecida como colestase intra-hepática da gravidez, é uma doença hepática rara que afeta de 0,5% a 2% de mulheres gravidas (1).

É comum entre certos grupos étnicos, como os índios araucanos e mulheres de ascendência escandinava (2). Se é tão raro, você deveria se preocupar com isso?

Sadestar diz mais sobre a colestase obstétrica, suas causas, sintomas, tratamento e restrições alimentares.

O que é colestase obstétrica?

Colestase Intra-Hepática da Gravidez: Sintomas e Tratamento
A colestase obstétrica é uma condição que reduz o fluxo normal da bile do fígado.

Normalmente, o fígado produz bile, que flui através dos ductos biliares, para o intestino, onde ajuda a digerir os alimentos.

Mas, no caso do colestase obstétrica, o fluxo da bile para o intestino é reduzido. Isso acumula os sais biliares, que vazam para a corrente sanguínea e aumentam a quantidade de sais biliares no sangue.

Os sais em excesso deixam sua pele coçando muito, causando uma condição chamada prurido. Isso geralmente ocorre nos últimos três meses de gravidez e, às vezes, até mais cedo. Mas o bom é que os sais biliares aumentados e o prurido desaparecem após o parto e não causam complicações a longo prazo para a mãe ou o bebê (3).

O que causa colestase obstétrica?

A causa exata da colestase obstétrica não é conhecida. No entanto, sabe-se que é afetado pelos seguintes fatores (4):
  1. Hormonal: Um aumento nos hormônios da gravidez, estrogênio e progesterona, pode afetar a função hepática. Estudos mostram que a colestase obstétrica geralmente ocorre no último trimestre, quando os níveis de estrogênio são maiores. A colestase obstétrica também é comum em gestações de gêmeos e trigêmeos quando os níveis hormonais são altos.
  2. Genética: em alguns casos, a colestase obstétrica é executado em famílias (mas pode pular algumas gerações). Aqueles com uma predisposição genética para colestase obstétrica também podem herdar um problema associado à produção de bile e passagem através dos ductos biliares. A colestase obstétrica pode não ser uma grande preocupação, a menos que você esteja grávida, pois um aumento na atividade hormonal durante a gravidez pode alterar o equilíbrio hormonal.
  3.  Fatores ambientais: A colestase obstétrica é mais comum durante os invernos, e a incidência é alta quando combinada com fatores nutricionais como a deficiência de selênio (5).
Qualquer que seja a causa, esta condição ocorre apenas durante a gravidez.

Quais são os sintomas da colestase intra-hepática da gravidez / colestase obstétrica?

O sintoma mais comum da colestase obstétrica é a coceira, que geralmente se desenvolve sem erupção cutânea. Inicia-se após 24 semanas de gravidez, quando os níveis hormonais estão no auge (6).
  • Ocorre nas palmas das mãos e nas solas dos pés, mas também pode afetar outras áreas do corpo.
  • A coceira piora à noite e tende a piorar, até que você tenha seu bebê.
  • A coceira pode ser leve a grave.
  • A coceira severa pode afetar seu padrão de sono, seu humor e concentração.
  • Sua urina será escura.
Outros sintomas, embora raros, incluem:
  • Cansaço
  • Sentir-se doente
  • Fezes pálidas
  • Aversões alimentares
  • Icterícia leve, caracterizada por urina amarela, pele ou branco do olho
  • Dor ao redor do fígado, geralmente no quadrante superior direito
Coceira ocasional, leve é normal. Mas se você desenvolver uma coceira constante que piora em combinação com os sintomas acima, você deve consultar o seu médico imediatamente.

Como é diagnosticada a colestase obstétrica?

A colestase obstétrica é diagnosticada através de exames de sangue. Seu médico discutirá seus sintomas, seu histórico familiar e seu histórico médico e recomendará alguns testes para medir os ácidos biliares e as enzimas hepáticas. Esses testes verificarão a colestase obstétrica e também detectarão outras causas de coceira.
  1. Teste de ácido biliar: Este é o teste mais específico para a colestase obstétrica. Mede os níveis de ácidos biliares na corrente sanguínea. O intervalo normal é 0-10 micromol / L, e qualquer leitura acima desta faixa detecta a presença de colestase obstétrica (7).
  2. Teste de função hepática: verifica o funcionamento do fígado medindo os diferentes níveis de enzima. As enzimas primárias, incluindo alanina transaminase e aspartato transaminase irão aumentar anormalmente no caso de colestase obstétrica.
Às vezes, os níveis de ácido biliar aumentam enquanto a alanina transaminase e a aspartato transaminase permanecem normais. Em outros casos, as enzimas hepáticas irão aumentar e os ácidos biliares permanecerão normais. Em ambos os casos, seus ácidos biliares são testados se houver prurido recorrente (8).

Quais são os riscos da colestase obstétrica?

Para a mãe

A colestase obstétrica pode levar à deficiência de vitamina K e afetar a capacidade do organismo de coagular o sangue. Existe um risco aumentado de hemorragia, uma vez que demora mais tempo a parar. No entanto, a pesquisa por trás disso é indefinida. Seu médico irá sugerir suplementos de vitamina K para tratar o problema de coagulação (9).

Você terá mais consultas pré-natais para que o médico possa examiná-la com cuidado. Os exames médicos envolvem:
  • Acompanhar os movimentos do bebê
  • Ouvir o batimento cardíaco do bebê
  • Ultrassonografia para monitorar o crescimento e o bem-estar do bebê

Para o feto

  • Seu bebê pode passar seu primeiro mecônio enquanto ainda está no útero. Portanto, causará problemas respiratórios após o nascimento.
  • Você pode entrar em trabalho de parto prematuro porque o seu médico irá aconselhar um parto prematuro.
  • Há um risco aumentado de morte fetal, e é por isso que o médico sugere trabalho de parto induzido por volta de 37 a 38 semanas (10).
Seu médico decidirá sobre o trabalho de parto induzido, dependendo dos exames de sangue e dos níveis de ácido biliar no sangue. Se colestase obstétrica é muito grave, você pode ter que induzir seu trabalho de parto antes de 37 semanas (11).

Como a colestase obstétrica é tratada?

Não há cura para a colestase obstétrica. Como dito, a condição não é séria, mas pode ser angustiante. Portanto, o principal objetivo do tratamento é aliviar a coceira.

Medidas gerais para aliviar a coceira associada à colestase obstétrica (12):
  • Banhos de água fria
  • Encharcar os pés e as mãos na água gelada
  • Aplicação de loção de calamina em regiões com coceira
  • Aplicação de cremes contendo extratos de calêndula e camomila. Estes são disse para reduzir a coceira e vermelhidão causada durante a colestase obstétrica
  • Usar sabonetes e detergentes suaves
  • Escolher géis de banho suaves em vez de pesados ​​e perfumados contendo formulações agressivas
  • Evite banhos de água quente
  • Vestir roupas folgadas e de algodão
  • Seguir uma dieta saudável e equilibrada (reduzir os alimentos oleosos e gordurosos)
  • Descansar sempre que você se cansar
  • Evitar condições climáticas quentes e úmidas
  • Evitar álcool e drogas, pois são tóxicos para o fígado e causam danos irreversíveis
As medidas acima podem oferecer alívio temporário, especialmente antes de dormir, para que a coceira possa diminuir e permitir que você tenha uma boa noite de sono.

Tratamento médico para gerenciar a colestase obstétrica:

A medicação é geralmente destinada a diminuir os níveis de sal biliar, aliviando a coceira e protegendo o bebê. O seu médico provavelmente receitará os seguintes medicamentos para a colestase obstétrica.
  • Ácido ursodesoxicólico (ursodiol), que elimina a coceira e normaliza o fígado e os ácidos biliares (13).
  • Esteróides (dexametasona) com manejo cuidadoso. Eles ajudam na maturidade dos pulmões do bebê (14).
  • Suplementos de vitamina K para ajudar na coagulação do sangue (15).
Nota: Não use anti-histamínicos e banhos de aveia.

Dieta para a colestase intra-hepática

O principal objetivo da dieta da colestase da gravidez é colocar menos pressão sobre o fígado e, para isso, você deve tomar alimentos contendo lecitina, que é uma gordura insaturada que ajuda a absorver as gorduras na bile. Uma dieta com baixo teor de gordura torna mais fácil para o intestino absorver vitaminas e minerais dos alimentos. Incluir:
  • Uma mistura de frutas e vegetais orgânicos com pigmentos coloridos, como cenoura, beterraba, batata, abóbora, repolho roxo e couve-flor para facilitar a digestão.
  • Alimentos que contenham ácidos graxos ómega 3 (atum, salmão, cavala, sardinha, camarão, ostras, sementes de linhaça e óleos de fígado de bacalhau) e ácidos graxos ómega 6 (verduras, nozes, peixe e soja) para combater doenças.
  • Alimentos ricos em proteínas, incluindo nozes, feijão, peixe e ovos.
  • Uma dieta com baixo teor de gordura de arroz, trigo, milho, aveia e centeio.
  • Azeite virgem, óleo de girassol e óleo de canola.
  • Alternativas saudáveis, como propagação de mel, húmus e compotas de frutas.
  • Mais água para eliminar as toxinas do sistema.
  • Suco de limão fresco em água morna para neutralizar os ácidos biliares.
Esta dieta ajuda a minimizar a produção de bílis no fígado e promove a saúde do fígado. Além de uma dieta saudável, outros remédios naturais podem ser usados ​​para lidar com a colestase obstétrica.

Remédios naturais para colestase obstétrica

Antes de ir para as opções de tratamento médico, você pode tentar as seguintes medidas para diminuir o desconforto associado à colestase obstétrica. Esses remédios também reduzem as chances de desenvolver a condição.
  1. Goma de guar: A goma de guar é um componente da fibra da semente da planta guar. Pesquisas mostram que a ingestão oral de goma de guar alivia a colestase. Ele se liga à bile, portanto, impedindo um aumento nos níveis séricos de bile (16).
  2. Carvão ativado: Este é um método de tratamento potente em que o carvão ativado retém os produtos químicos e as toxinas do corpo, permitindo que eles sequem antes de serem absorvidos. Em um estudo, verificou-se que um tratamento de oito dias de carvão ativado reduziu as concentrações de bile em gestantes com colestase intra-hepática (17).
  3. Raiz Dente-de-Leão: É um remédio seguro para cálculos biliares, uma das causas significativas da colestase. As vitaminas e nutrientes presentes na raiz do dente de leão auxiliam na limpeza do fígado e estimulam o fluxo biliar adequado (18).
  4. Vitamina D e cálcio: Os resultados da pesquisa mostram que as doenças ósseas metabólicas são uma complicação da doença colestase obstétrica (19). Portanto, também é essencial que você consuma alimentos ricos em cálcio e suplementos de cálcio. A vitamina D, que você pode obter passando algum tempo ao ar livre, também desempenha um papel fundamental na absorção de cálcio (20).
Ao tomar essas medidas ajuda a gerenciar melhor a condição, a supervisão médica é necessária por algumas semanas a meses, mesmo após o parto.

Colestase obstétrica ou Colestase Intra-Hepática da Gravidez Após o Parto

Um check-up de acompanhamento é feito em torno de seis a oito semanas após o nascimento do bebê. O seu médico irá verificar se a coceira ainda persiste e se o fígado está funcionando normalmente.
  • Se você estiver usando pílulas anticoncepcionais, o médico pode mandar você pode pará-los, uma vez que o estrogênio neles pode desencadear a colestase obstétrica novamente. O médico pode sugerir um contraceptivo alternativo.
  • Você pode estar correndo o risco de desenvolver doença hepática crônica e cálculos biliares mais tarde na vida.
  • Há uma chance de 45-70% de que a colestase obstétrica ocorra durante as gestações subsequentes (21).

Qual é o código CID-10 correto para colestase obstétrica?

O código CID-10 correto para colestase obstétrica é O26.6, que se enquadra em distúrbios hepáticos na gravidez, no parto e no puerpério (22).

A CID-10 é um sistema de codificação proposto pela OMS (Organização Mundial de Saúde) para interpretar a descrição escrita da informação médica e de saúde em códigos padronizados. A CID-10 representa a Classificação Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (10ª revisão).

Lidar com a colestase obstétrica pode ser exaustivo, assustador e problemático. Mas a condição não é perigosa e é facilmente administrável. Embora não existam terapias e intervenções evitáveis, você será capaz de tirar você e seu bebê dos problemas associados a colestase obstétrica. É importante ser feliz enquanto estiver grávida, pois suas ansiedades podem afetar seu bebê em crescimento. Converse com seu médico, familiares e amigos para compartilhar suas preocupações e se manter saudável.

Tem dicas para gerenciar melhor a colestase obstétrica? Compartilhe-as na seção de comentários.
Colestase Intra-Hepática da Gravidez: Sintomas e Tratamento Colestase Intra-Hepática da Gravidez: Sintomas e Tratamento Reviewed by Sadestar Saúde on julho 11, 2018 Rating: 5

Nenhum comentário:

Os comentários deste blog são todos moderados, ou seja, eles são lidos por nós antes de serem publicados.

Não serão aprovados comentários:

1. Não relacionados ao tema do artigo;
2. Com pedidos de parceria;
3. Com propagandas (spam);
4. Com link para divulgar seu blog;
5. Com palavrões ou ofensas a quem quer que seja.

ATENÇÃO: Comentários com links serão excluídos!

Tecnologia do Blogger.