Conforme as mulheres se aproximam da menopausa, muitas delas apresentam uma miríade de sintomas diferentes, incluindo incontinência urinária. Elas tendem a notar a falta de controle da bexiga, especialmente ao espirrar, tossir ou rir.

Conforme a mulher se aproxima da menopausa, seus níveis hormonais flutuam, o que leva a uma série de mudanças físicas, incluindo incontinência. Para entender como tratar esse sintoma, é melhor primeiro entender exatamente o que é, o que o causa e, finalmente, quais opções de tratamento estão disponíveis. Leia abaixo para saber tudo sobre a incontinência.

Você sabia: Aproximadamente 13 milhões de americanos têm incontinência. Destes, 85% são mulheres.

Sintomas da Menopausa - Incontinência

Sobre Incontinência

A incontinência urinária é a incapacidade de controlar a bexiga. A gravidade pode variar de mulher para mulher. Algumas mulheres podem apresentar gotas ocasionais de urina ao cair na gargalhada ou ao ter um episódio de espirros. Outras podem notar grandes quantidades e fluxos de urina descontrolados mais frequentes que não parecem ser estimulados por risos ou espirros de sacudir o corpo.

Embora muitas mulheres tenham incontinência quando se aproximam da menopausa, não é um aspecto inevitável do envelhecimento. Felizmente, ao compreender melhor esse sintoma da menopausa, as mulheres podem tratá-lo ou prevenir sua ocorrência. Um bom lugar para começar é com os três tipos diferentes de incontinência.

Você sabia: Mais de 40% das mulheres na menopausa sofrem de incontinência e aproximadamente a mesma quantidade de mulheres na pós-menopausa enfrenta o mesmo sintoma.

Tipos de Incontinência

Existem três tipos principais de incontinência: incontinência de esforço, incontinência de urgência e incontinência de transbordamento. Esses tipos de incontinência são descritos em detalhes abaixo.

A incontinência de esforço é o tipo mais proeminente de incontinência que as mulheres experimentam, especialmente durante os anos da menopausa e pós-menopausa. Mulheres com incontinência de esforço involuntariamente perdem urina enquanto tossem, riem, espirram, fazem exercícios ou levantam algo. O motivo pelo qual essas atividades podem causar incontinência é porque aplicam uma pressão repentina nas paredes da bexiga, o que a comprime e faz com que a urina vaze. Isso ocorre à medida que as mulheres envelhecem porque os músculos pélvicos entre a bexiga e a vagina geralmente ficam mais fracos, permitindo que a urina vaze.

A incontinência de urgência é a necessidade repentina, intensa e frequente de urinar, imediatamente seguida por uma perda incontrolável de urina. A bexiga se contrai e pode dar um aviso de apenas alguns segundos ou um minuto para chegar ao banheiro. A incontinência de urgência surge especialmente quando a pessoa está dormindo, bebendo ou ouvindo água corrente. A incontinência de urgência também tem outros nomes: bexiga espástica, bexiga hiperativa ou incontinência reflexa. Esse tipo de incontinência, caracterizado pela necessidade de urinar mais de sete vezes ao dia ou mais de duas vezes por noite, é o tipo de incontinência mais comum em idosos.

A incontinência por transbordamento é caracterizada por gotejamento de urina frequente ou constante. Aqueles com incontinência de transbordamento não conseguem esvaziar completamente a bexiga, que se enche e transborda, causando vazamento. Quem sofre de incontinência por transbordamento costuma ter a sensação de nunca esvaziar totalmente a bexiga e, quando urina, produz apenas um jato fraco de urina. Este tipo de incontinência é comum em pessoas com bexiga danificada ou uretra bloqueada. Também pode ser resultado de danos nos nervos causados ​​pelo diabetes.

Para resumir, os sintomas de incontinência incluem vazamento de urina durante um espirro, riso ou tosse; vazamentos de urina ao levantar ou correr; não há tempo suficiente para chegar ao banheiro depois que a vontade de urinar é sentida; urina continuando a pingar após urinar; vazamento de urina após um desejo intenso de esvaziar a bexiga; e vazamento contínuo de urina.

Causas da Incontinência

Como a incontinência de estresse é o tipo mais comum de incontinência em mulheres na menopausa e na pós-menopausa, é apropriado começar por aí. Este tipo de incontinência em mulheres é quase sempre causado por desequilíbrio hormonal, especificamente a diminuição dos níveis de estrogênio.

O estrogênio ajuda a manter os músculos da mulher fortes, até mesmo os músculos que permitem que ela mantenha o controle da bexiga. O estrogênio também contribui para a saúde do revestimento do trato urinário. Quando os níveis de estrogênio começam a cair, como ocorre durante a menopausa, os músculos enfraquecem e o controle da bexiga se torna cada vez mais difícil.

Outras causas de incontinência

Embora os níveis reduzidos de estrogênio causem principalmente incontinência em mulheres na menopausa, existem outras causas de incontinência, mas elas tendem a estar mais alinhadas com a incontinência de urgência ou transbordamento. Outras causas incluem:

  • Infecções
  • Gravidez anterior
  • Danos nos nervos por diabetes ou derrame
  • Problemas cardíacos
  • Medicamentos como diuréticos (pílulas de água), tranquilizantes
  • Depressão
  • Dificuldade em caminhar ou se mover
  • Ganho de peso

Continue lendo para aprender mais sobre as opções de tratamento disponíveis para incontinência.

Tratamentos de Incontinência

Felizmente para as mulheres que sofrem de incontinência, existem várias opções de tratamento para tornar esse sintoma da menopausa uma coisa do passado. É melhor começar com o tratamento menos invasivo, mudanças no estilo de vida e, em seguida, passar para medidas adicionais - como medicamentos alternativos e, finalmente, medicamentos ou cirurgia - se a incontinência persistir.

Uma boa maneira de uma mulher na menopausa aliviar a incontinência é fortalecer os músculos do assoalho pélvico, que sustentam a bexiga. Existem várias técnicas de exercícios para fazer isso. Para começar, deite no chão e contraia os músculos pélvicos. Mantenha-os contraídos por uma contagem de três; solte; descanse por alguns segundos; repetir. Diminuir o consumo de cafeína e tabaco também é recomendado. Essas substâncias pioram a incontinência.

A melhor maneira de combater a incontinência é combinar mudanças no estilo de vida e medicamentos alternativos. Enquanto a mulher trabalha para fortalecer os músculos do assoalho pélvico, ela também pode tomar certas ervas que ajudam a estimular a produção natural de hormônios, especialmente o estrogênio.

Para casos mais prolongados ou drásticos de incontinência, pode ser necessário consultar um profissional de saúde e possivelmente buscar opções cirúrgicas ou farmacêuticas, embora estas apresentem o maior risco de efeitos colaterais ou complicações.

Em geral, é recomendado que as mulheres que sofrem de incontinência e desejam tratá-la comecem com mudanças no estilo de vida, depois passem para os medicamentos alternativos e, por fim, procurem medicamentos ou cirurgia se nada mais parecer funcionar.

Postagem Anterior Próxima Postagem