Tudo Que você Precisa Saber Sobre os Efeitos da Insulina no Corpo

A insulina é um hormônio natural produzido pelo pâncreas que controla como o corpo usa e armazena açúcar no sangue (glicose). É como uma chave que permite que a glicose entre nas células do corpo.

A insulina é uma parte vital do metabolismo. Sem ela, seu corpo deixaria de funcionar.

Quando você come, seu pâncreas libera insulina para ajudar seu corpo a gerar energia a partir da glicose, um tipo de açúcar encontrado nos carboidratos. Também ajuda a armazenar energia.

No diabetes tipo 1, o pâncreas não é mais capaz de produzir insulina. No diabetes tipo 2, o pâncreas produz insulina inicialmente, mas as células do seu corpo não conseguem fazer bom uso da insulina. Isso é chamado de resistência à insulina.

O diabetes não gerenciado permite que a glicose se acumule no sangue, em vez de ser distribuída às células ou armazenada. Isso pode causar estragos em praticamente todas as partes do seu corpo.

Os exames de sangue podem indicar rapidamente se seus níveis de glicose estão muito altos ou muito baixos.

As complicações do diabetes incluem doenças renais, danos nos nervos, problemas cardíacos, oculares e estomacais.

Pessoas com diabetes tipo 1 precisam de terapia com insulina para viver. Algumas pessoas com diabetes tipo 2 também devem fazer terapia com insulina para controlar seus níveis de açúcar no sangue e evitar complicações.

Se você tem diabetes, a insulinoterapia pode fazer o trabalho que seu pâncreas não pode. Os seguintes tipos de insulina estão disponíveis:

  • A insulina de ação rápida atinge a corrente sanguínea em 15 minutos e continua trabalhando por até 4 horas.
  • A insulina de ação curta entra na corrente sanguínea em 30 minutos e funciona por até 6 horas.
  • A insulina de ação intermediária entra na corrente sanguínea dentro de 2 a 4 horas e é eficaz por cerca de 18 horas.
  • A insulina de ação prolongada começa a funcionar dentro de algumas horas e mantém os níveis de glicose por até 24 horas.
Tudo Que você Precisa Saber Sobre os Efeitos da Insulina no Corpo

Locais de Injeção de Insulina

A insulina geralmente é injetada no abdômen, mas também pode ser injetada na parte superior do braço, coxas ou nádegas.

Os locais de injeção devem ser rotacionados no mesmo local geral. Injeções frequentes no mesmo local podem causar depósitos de gordura que dificultam a administração de insulina.

Bomba de Insulina

Em vez de injeções frequentes, algumas pessoas usam uma bomba que fornece regularmente pequenas doses de insulina ao longo do dia.

A bomba inclui um pequeno cateter que é colocado no tecido adiposo sob a pele do abdômen. Também possui um reservatório que armazena insulina e tubos finos que transportam a insulina do reservatório para o cateter.

A insulina no reservatório precisa ser recarregada conforme necessário. Para evitar uma infecção, o local de inserção deve ser alterado a cada 2 a 3 dias.

Produzida no Pâncreas

Quando você come, o alimento chega ao estômago e ao intestino delgado, onde é decomposto em nutrientes que incluem glicose. Os nutrientes são absorvidos e distribuídos através da corrente sanguínea.

O pâncreas é uma glândula localizada atrás do estômago que desempenha um papel essencial no processo de digestão. Cria enzimas que quebram a gordura, amidos e açúcar nos alimentos. Também secreta insulina e outros hormônios na corrente sanguínea.

A insulina é criada nas células beta do pâncreas. As células beta compreendem cerca de 75% das células do hormônio pancreático.

Outros hormônios produzidos pelo pâncreas são:

  • glucagon, que alerta o fígado para aumentar o açúcar no sangue se estiver muito baixo
  • gastrina, que estimula a produção de ácido gástrico no estômago
  • amilina, que ajuda a controlar o apetite

Criação e Distribuição de Energia

A função da insulina é ajudar a transformar a glicose em energia e distribuí-la por todo o corpo, incluindo o sistema nervoso central e o sistema cardiovascular.

Sem insulina, as células passam fome de energia e devem procurar uma fonte alternativa. Isso pode levar a complicações com risco de vida.

Armazenamento do Fígado

A insulina ajuda o fígado a absorver glicose em excesso da corrente sanguínea. Se você tiver energia suficiente, o fígado armazena a glicose de que você não precisa imediatamente, para que possa ser usada mais tarde.

Por sua vez, o fígado produz menos glicose por si próprio. Isso mantém seus níveis de glicose no sangue sob controle. O fígado libera pequenas quantidades de glicose na corrente sanguínea entre as refeições para manter os açúcares no sangue dentro dessa faixa saudável.

Armazenamento de Gordura e Músculo

A insulina ajuda os músculos e as células adiposas a armazenar glicose extra, para não sobrecarregar a corrente sanguínea.

Ele sinaliza as células do tecido muscular e gordura para parar de quebrar a glicose para ajudar a estabilizar o nível de açúcar no sangue.

As células começam a criar glicogênio, a forma armazenada de glicose. O glicogênio fornece energia ao seu corpo quando seu nível de açúcar no sangue cai.

Quando o fígado não aguenta mais glicogênio, a insulina aciona as células adiposas para absorver glicose. Ele é armazenado como triglicerídeos, um tipo de gordura no sangue, que pode ser usado como energia posteriormente.

Açúcar no Sangue Equilibrado

O açúcar no sangue, ou glicose, é usado pelo seu corpo para obter energia. Quando você come, é criado por muitos dos carboidratos que você está consumindo. A glicose é usada imediatamente ou armazenada em suas células. A insulina ajuda a manter a glicose no sangue dentro de um intervalo normal.

Isso é feito retirando a glicose da corrente sanguínea e movendo-a para as células do corpo. As células então usam a glicose como energia e armazenam o excesso no fígado, músculos e tecido adiposo.

Muita ou pouca glicose no sangue pode causar sérios problemas de saúde. Além do diabetes, pode levar a problemas cardíacos, renais, oculares e dos vasos sanguíneos.

Células Saudáveis

As células de todas as partes do corpo precisam de energia para funcionar e permanecer saudáveis. A insulina fornece a glicose que as células usam para energia.

Sem insulina, a glicose permanece na corrente sanguínea, o que pode levar a complicações perigosas, como hiperglicemia.

Juntamente com a glicose, a insulina ajuda os aminoácidos a entrar nas células do corpo, o que aumenta a massa muscular. A insulina também ajuda as células a absorver eletrólitos como o potássio, que mantém o nível dos fluidos corporais.

Na Corrente Sanguínea

Quando a insulina entra na corrente sanguínea, ajuda as células do corpo - inclusive no sistema nervoso central e no sistema cardiovascular - a absorver glicose. O trabalho do sistema circulatório é fornecer insulina.

Desde que o pâncreas produz insulina suficiente e seu corpo possa usá-la adequadamente, os níveis de açúcar no sangue serão mantidos dentro de uma faixa saudável.

Um acúmulo de glicose no sangue (hiperglicemia) pode causar complicações como danos nos nervos (neuropatia), danos nos rins e problemas nos olhos. Os sintomas de glicemia alta incluem sede excessiva e micção frequente.

Pouca glicose no sangue (hipoglicemia) pode fazer você se sentir irritado, cansado ou confuso. Baixo nível de açúcar no sangue pode levar à perda de consciência.

Controle de Cetona

A insulina ajuda as células a usar glicose como energia. Quando as células não conseguem usar a glicose extra, elas começam a queimar gordura para obter energia. Esse processo cria um acúmulo perigoso de produtos químicos chamados cetonas.

Seu corpo tenta se livrar das cetonas através da urina, mas às vezes não consegue acompanhar. Isso pode levar a uma condição com risco de vida chamada cetoacidose diabética (CAD). Os sintomas incluem hálito com cheiro adocicado, boca seca, náusea e vômito.

Postagem Anterior Próxima Postagem