A maioria das pessoas usa plástico todos os dias.

No entanto, este material geralmente não é biodegradável. Com o tempo, ele se decompõe em pequenos pedaços chamados microplásticos, que podem ser prejudiciais ao meio ambiente.

Além disso, estudos recentes mostraram que os microplásticos são encontrados comumente em alimentos, principalmente frutos do mar.

No entanto, não está claro se esses microplásticos afetam a saúde humana. Este artigo examinará em profundidade os microplásticos e se eles são uma ameaça à sua saúde.
Os Microplásticos nos Alimentos são Uma Ameaça à Sua Saúde?

O que são microplásticos?

Microplásticos são pequenos pedaços de plástico encontrados no meio ambiente.

Eles são definidos como partículas de plástico com menos de 0,2 polegadas (5 mm) de diâmetro.

Elas são produzidas como pequenos plásticos, como microesferas adicionadas a pastas de dentes e esfoliantes, ou criadas quando plásticos maiores se decompõe no meio ambiente.

Os microplásticos são comuns nos oceanos, rios e solo e são frequentemente consumidos pelos animais.

Uma série de estudos na década de 1970 começou a investigar os níveis de microplásticos nos oceanos e encontrou níveis elevados no Oceano Atlântico ao largo da costa dos EUA (1, 2).

Atualmente, devido ao crescente uso de plástico no mundo, há muito mais plástico nos rios e oceanos. Estima-se que 8,8 milhões de toneladas (8 milhões de toneladas métricas) de resíduos plásticos entram no oceano todos os anos (3).

Uma gritante 276.000 toneladas (250.000 toneladas métricas) deste plástico está atualmente flutuando no mar, enquanto o resto provavelmente afundou ou caiu em terra (4).

Os microplásticos são pequenos pedaços de plástico com menos de 0,2 polegadas (5 mm) de diâmetro. Eles são encontrados em todo o mundo em rios, oceanos, solos e outros ambientes.

Microplásticos em Alimentos

Os microplásticos são cada vez mais encontrados em muitos ambientes diferentes, e os alimentos não são exceção (5, 6).

Um estudo recente examinou 15 marcas diferentes de sal marinho e encontrou até 273 partículas microplásticas por libra (600 partículas por quilograma) de sal (7).

Outros estudos encontraram até 300 fibras microplásticas por libra (660 fibras por quilograma) de mel e até cerca de 109 fragmentos microplásticos por litro (109 fragmentos por litro) de cerveja (8, 9).

No entanto, a fonte mais comum de microplásticos nos alimentos é o marisco (10).

Como os microplásticos são particularmente comuns na água do mar, eles são comumente consumidos por peixes e outros organismos marinhos (11, 12).

Estudos recentes mostraram que certos peixes confundem o plástico com alimentos, o que pode levar à acumulação de produtos químicos tóxicos no fígado dos peixes (13).

Um estudo recente descobriu que os microplásticos estavam presentes em organismos do fundo do mar, sugerindo que os microplásticos estão afetando até mesmo as espécies mais remotas (14).

Além disso, os mexilhões e ostras apresentam um risco muito maior de contaminação por microplásticos do que a maioria das outras espécies (15, 16).

Um estudo recente descobriu que mexilhões e ostras colhidas para consumo humano tinham 0,36 a 0,47 partículas de microplástico por grama, o que significa que os consumidores de mariscos poderiam ingerir até 11 mil partículas de microplástico por ano (17).

Microplásticos são comumente encontrados em fontes de alimentos, principalmente frutos do mar. Isso pode resultar em humanos consumindo altos níveis.

Os microplásticos estão afetando sua saúde?

Embora vários estudos tenham mostrado que há microplásticos presentes nos alimentos, ainda não está claro que efeito eles podem ter na sua saúde.

Até agora, poucos estudos examinaram como os microplásticos afetam a saúde e a doença humanas.

Os ftalatos, um tipo de produto químico usado para tornar o plástico flexível, demonstraram aumentar o crescimento das células cancerígenas da mama. No entanto, esta pesquisa foi realizada em uma placa de Petri, de modo que os resultados não podem ser generalizados para os seres humanos (18).

Um estudo recente examinou os efeitos dos microplásticos em ratos de laboratório.

Quando alimentados os camundongos, os microplásticos se acumularam no fígado, nos rins e nos intestinos e aumentaram os níveis de moléculas de estresse oxidativo no fígado. Eles também aumentaram o nível de uma molécula que pode ser tóxica para o cérebro (19).

Micropartículas, incluindo microplásticos, demonstraram passar do intestino para o sangue e, potencialmente, para outros órgãos (20, 21).

Plásticos também foram encontrados em humanos. Um estudo descobriu que fibras plásticas estavam presentes em 87% dos pulmões humanos estudados. Os pesquisadores propuseram que isso pode ser devido a microplásticos presentes no ar (22).

Alguns estudos mostraram que os microplásticos no ar podem fazer com que as células pulmonares produzam produtos químicos inflamatórios. No entanto, isso só foi mostrado em estudos de tubo de ensaio (23).

O bisfenol A (BPA) é um dos plásticos mais estudados nos alimentos. Geralmente é encontrado em embalagens plásticas ou recipientes de armazenamento de alimentos e pode vazar para a comida.

Algumas evidências mostram que o BPA pode interferir nos hormônios reprodutivos, especialmente em mulheres (24).

Evidências de estudos em animais e em tubos de ensaio sugerem que os microplásticos podem ser prejudiciais à saúde. No entanto, existem poucos estudos examinando os efeitos dos microplásticos em humanos atualmente.

Como evitar os microplásticos em alimentos

Os microplásticos são encontrados em muitas fontes alimentares diferentes. No entanto, ainda não está claro como eles afetam a saúde humana.

As maiores concentrações de microplásticos na cadeia alimentar parecem ser em peixes, particularmente mariscos.

Como pouco se sabe sobre como os microplásticos afetam a saúde, não é necessário evitar inteiramente o marisco. No entanto, pode ser benéfico comer marisco de alta qualidade de fontes conhecidas.

Além disso, alguns plásticos podem vazar para o alimento da embalagem.

Limitar o uso de embalagens plásticas de alimentos pode reduzir a ingestão de microplásticos e beneficiar o meio ambiente no processo.

O marisco parece ser a maior fonte de microplásticos na cadeia alimentar, por isso certifique-se de escolher marisco de alta qualidade a partir de fontes conhecidas. Limitar embalagens de alimentos de plástico também pode reduzir sua ingestão de microplásticos.

Resumindo sobre os microplásticos e a saúde

Os microplásticos são propositadamente produzidos para serem pequenos, como microesferas em cosméticos, ou formados a partir da decomposição de plásticos maiores.

Infelizmente, os microplásticos estão presentes em todo o ambiente, inclusive no ar, na água e nos alimentos.

Os frutos do mar, particularmente mariscos, contém altas concentrações de microplásticos que podem se acumular em seu corpo depois que você come esses alimentos.

Como os microplásticos afetam a saúde humana atualmente não está claro. No entanto, os resultados de estudos em animais e em tubos de ensaio sugerem que podem ter efeitos negativos.

Reduzir o uso de embalagens plásticas de alimentos é uma das maneiras mais eficazes de reduzir o plástico no ambiente e na cadeia alimentar.

É um passo que beneficiará o meio ambiente e provavelmente sua saúde também.