O que é disbiose?

Disbiose: Desequilíbrio Microbiano Dentro do Corpo
O que é disbiose? Disbiose é um termo para um desequilíbrio microbiano que na maioria das vezes afeta o intestino ou o trato intestinal de uma pessoa.

A disbiose é também chamada de disbacteriose ou disbiose bacteriana. Isso porque o trato gastrointestinal contém bactérias “boas” e “ruins” para formar a flora intestinal - também chamada de microbiota intestinal.

Mas outros organismos minúsculos também residem no trato gastrointestinal, incluindo levedura, fungos, vírus e parasitas.

Dito isto, a disbiose também pode afetar a pele, os olhos, os pulmões, as orelhas, o nariz, os seios nasais, as unhas e a vagina.

O microbiologista e zoólogo russo Elie Metchnikoff cunhou o termo no século XX.

O Dr. Metchnikoff é o primeiro cientista a descobrir o impacto das propriedades dos probióticos - também conhecidos como “boas bactérias”. Os termos “dis” e “simbiose” se traduzem em “não viver em harmonia”.

Ligação entre o sistema digestivo e a disbiose

O intestino, ou trato gastrointestinal, tem três funções principais: a absorção de nutrientes, a digestão dos alimentos, a conversão de alimentos em vitaminas e a prevenção da entrada de toxinas e patógenos em seu corpo. Existem aproximadamente 500 espécies de bactérias que compõem a "flora intestinal".

Quando a flora intestinal é balanceada, ela é chamada de “ortobiose”, que novamente é um termo introduzido pelo Dr. Metchnikoff no início dos anos 1900. Ele considerou a disbiose tão séria que ele também disse que "a morte começa no intestino".

A questão aqui é que nem todos os organismos amigáveis ​​da flora intestinal são “amigáveis”. Na verdade, quando há um crescimento excessivo de bactérias, parasitas, fungos, leveduras ou outros organismos, isso pode levar à disbiose.

As causas comuns de disbiose bacteriana incluem E. coli (Escherichia coli), H. pylori (Helicobacter pylori) e Clostridium difficile. A disbiose parasitária pode ser causada por protozoários, tênias, vermes e outros parasitas. A disbiose fúngica pode ser causada por várias espécies de Candida, especialmente Candida albicans.

Ter muitos desses patógenos intestinais pode impedi-lo de digerir adequadamente os alimentos. Como resultado, a comida fermentará e apodrecerá, e as bactérias ruins irão crescer e se multiplicar.

Isso levará à inflamação intestinal, que danifica o revestimento do intestino. Isso, então, contribui para doenças digestivas crônicas, incluindo SIBO (supercrescimento bacteriano do intestino delgado), doença do intestino irritável e supercrescimento de cândida.

Além disso, como cerca de 80% do seu sistema imunológico reside no intestino, o supercrescimento bacteriano pode levar a muitos problemas de saúde, incluindo transtornos de humor, problemas de pele, infecções graves, problemas na bexiga e problemas no sistema nervoso.

Tenha em mente, porém, que o corpo requer um equilíbrio entre bactérias boas e ruins. Em geral, as bactérias ruins não são um problema, desde que você mantenha um número adequado de boas bactérias também.

As bactérias boas terão nomes que começam com Bifidobacillus, Lactobacillus e Bacillus. Exemplos incluem Bifidobacterium bifidum, Lactobacillus acidophilus e Bacillus subtilis.

Especialistas em digestão acreditam que o equilíbrio ideal de bactérias intestinais deve ser de cerca de 85% de boas bactérias e 15% de bactérias ruins.

O que causa disbiose?

Em geral, as mulheres têm duas a três vezes mais chances de serem diagnosticadas com distúrbios digestivos do que os homens. Nos EUA, estima-se que mais de 30 milhões de pessoas sofrem de um desequilíbrio no trato gastrointestinal.

No entanto, esse número é provavelmente muito maior, considerando que existem tantas causas potenciais de disbiose intestinal. A seguir, algumas das causas da disbiose:

Uso de antibióticos: Toda vez que antibióticos são tomados, eles matam todas as bactérias - até mesmo o tipo "bom". A prescrição excessiva de antibióticos também causa resistência a antibióticos, o que significa que os antibióticos não matam apenas as "boas bactérias", mas é possível que nem mesmo ajudam em casos de infecções bacterianas. A disbiose por amoxicilina, por exemplo, pode resultar de um curso do antibiótico amoxicilina. Outros antibióticos populares incluem moxifloxacina, levofloxacina e ciprofloxacina.

Uso de outras drogas: Inibidores da bomba de prótons e antiácidos são projetados para bloquear a produção de ácido clorídrico no estômago, mas esse ácido é a primeira linha de defesa contra micróbios que entram no corpo com alimentos. Quando esse ácido é bloqueado, o corpo não mais se defende contra os "micróbios ruins". O uso excessivo de drogas anti-inflamatórias não esteróides (AINEs) também inibe o crescimento das "boas bactérias".

Fermentação: O supercrescimento bacteriano no intestino delgado (SIBO) é uma condição de intolerância a carboidratos induzida pelo supercrescimento bacteriano no intestino delgado, intestino grosso e estômago. Qualquer carboidrato irá fermentar pelas “bactérias ruins” e produzir produtos tóxicos como resultado.

Estresse crônico: O estresse crônico aumenta os níveis hormonais, e isso também prejudica muito o sistema imunológico, que cria um ambiente no trato gastrointestinal suscetível a disbiose.

Dieta pobre: ​​Uma dieta pobre é outro fator importante na disbiose. Dietas de baixo teor de fibras, dietas ricas em gorduras e ricas em proteínas e dietas ricas em açúcar e alimentos processados ​​podem retardar a motilidade intestinal e muitas vezes carecem de nutrientes necessários para nutrir e reparar os órgãos digestivos, incluindo o trato gastrointestinal. A Candida é um tipo de levedura que vive de açúcar e alimentos processados, que perturbam muito o equilíbrio dos organismos no corpo. A sensibilidade ao glúten também é um fator na disbiose.

Fatores ambientais: Os fatores ambientais que influenciam a disbiose incluem alimentos e água contaminados, exposição a produtos químicos fabricados, como pesticidas ou metais tóxicos, a presença de fungos ou fungos em casa e a vida num clima de neblina ou umidade.

Algumas outras causas: o consumo de mais de duas bebidas alcoólicas por dia também pode levar ao crescimento excessivo de bactérias ruins. Além disso, a má higiene dental pode causar um crescimento excessivo de bactérias ruins na boca. Fazer sexo desprotegido também pode expor você a bactérias ruins que podem atingir populações benéficas.

Sinais e Sintomas de Disbiose

Os sinais e sintomas mais comuns de disbiose incluem problemas digestivos recorrentes, como diarreia crônica, azia, constipação crônica, inchaço, arrotos, dor abdominal, indigestão frequente, mau hálito, fezes fétidas, comida não digerida nas fezes ou náuseas após tomar Suplementos.

Alguns outros sintomas são:
  • Perda de peso devido à má absorção ou ganho de peso
  • Alergias, sensibilidades ou intolerâncias alimentares
  • Desejos por doces, incluindo álcool
  • Coceira retal ou vaginal
  • Unhas fracas ou rachadas
  • Falta de ferro
  • Perda de libido e infertilidade
  • Congestão sinusal crônica
  • Problemas de bexiga como cistite intersticial, dificuldade em urinar
  • Hiperatividade como transtornos comportamentais e de aprendizagem
  • Névoa Mental

Outras condições de saúde associadas à disbiose

A disbiose do intestino pode levar a alterações intestinais que aumentam a permeabilidade do intestino. Isso resulta em síndrome do intestino permeável - também chamado de aumento da permeabilidade intestinal.

Basicamente, o revestimento dos intestinos perde sua integridade, o que abre a porta para parasitas, vírus, bactérias e também moléculas de alimento não digeridas. O sistema imunológico agravado também se tornará instável, podendo atacar o corpo e até mesmo levar a doenças autoimunes.

Além disso, uma erupção cutânea causada por disbiose pode ocorrer devido à exposição a bactérias nocivas. O Staphylococcus aureus, por exemplo, pode causar uma infecção por estafilococos e levar a sintomas como inchaço, vermelhidão e dor.

A seguir estão algumas das outras condições associadas à disbiose intestinal:
  • Condições digestivas comuns, como síndrome do intestino irritável (SII), doença celíaca, intolerância à lactose, gastrite e doenças inflamatórias intestinais, como a doença de Crohn e a colite ulcerativa
  • Infecções intestinais crônicas como candida ou parasitas, candidíase oral e vaginite crônica ou vaginose bacteriana
  • Depressão ou ansiedade
  • Dor nas articulações e artrite
  • Cistite intersticial
  • Transtornos comportamentais e de aprendizagem
  • Síndrome de fadiga crônica e fibromialgia
  • Síndrome da perna inquieta
  • Diabetes, obesidade e doenças da tireoide
  • Esclerose múltipla

Complicações da disbiose

Existem várias complicações da disbiose intestinal. Aqui está uma análise mais profunda de algumas das complicações e condições que podem resultar da disbiose:
  • Eczema atópico: As condições da pele são um resultado comum de disbiose, mas especialmente o eczema atópico. A maioria dos pacientes com eczema atópico apresenta má absorção e disbiose intestinal.
  • Candida: Candida é a condição em que fungos e leveduras crescem fora de controle e levam a certos sintomas debilitantes, como fadiga persistente, dores musculares, constipação e prurido retal.
  • Síndrome do intestino irritável: Vários estudos descobriram que os pacientes com síndrome do intestino irritável têm uma maior probabilidade de flora fecal anormal.
  • Outras possíveis complicações da disbiose: Quando a disbiose não é tratada, pode levar a infecções fúngicas graves e até aumentar o risco de câncer.

Exame de Diagnóstico de Disbiose

A disbiose é frequentemente suspeitada quando os pacientes têm intolerância alimentar ou alergia; fadiga inexplicada; desnutrição; sintomas neuropsiquiátricos; câncer de mama ou cólon; ou distúrbios inflamatórios, autoimunes ou gastrointestinais.

Você também deve procurar ajuda se tiver regularmente problemas digestivos como gases, inchaço ou diarreia. O exame de disbiose diagnóstica mais útil é chamado de análise abrangente de fezes e digestiva.

A análise abrangente de fezes e digestiva incluirá vários procedimentos, como avaliações bioquímicas da digestão, avaliação da microflora bacteriana, detecção de micologia anormal, avaliação da absorção intestinal e a detecção de marcadores metabólicos do metabolismo intestinal.

A partir desses testes, triglicerídeos excessivos, carne, fibras vegetais, ácidos graxos ou colesterol podem indicar disbiose intestinal. Os casos de disbiose grave também podem resultar em exames de sangue anormais que indicam baixos níveis de vitamina B12 e ácido fólico e má absorção de proteínas.

Outros exames usados ​​para a disbiose incluem o teste do hidrogênio no ar expirado, o teste de candida, o teste Genova IP para intestino gotejante, exames de u-biome para oferecer uma imagem maior das bactérias no corpo e exames de zonulina. A zonulina é uma proteína comumente implicada na síndrome do intestino gotejante e os níveis costumam ser altos.

Opção de tratamento natural para disbiose

Em geral, os sintomas e o tratamento da disbiose andam de mãos dadas. Isso significa que o tratamento para disbiose deve ser baseado nos sintomas e condições de uma pessoa.

O primeiro passo no tratamento da disbiose é a remoção de vários fatores agravantes, como antibióticos, outras drogas e certos fatores dietéticos que podem ser a causa do supercrescimento bacteriano ou do organismo. Alguns medicamentos usados ​​no tratamento da disbiose podem incluir rifaximina, ciprofloxacina, norfloxacina ou cotrimoxazol.

No entanto, existem também vários remédios usados no tratamento da disbiose natural que pode ser útil também. Aqui estão alguns remédios naturais e tratamentos que devem encontrar uma casa no seu armário de remédios:

1. Probióticos: Um probiótico de alta potência é essencial para a restauração da população bacteriana no intestino. A dosagem do probiótico dependerá principalmente da gravidade da disbiose intestinal. A maioria dos suplementos probióticos de alta qualidade contém lactobacilos, Saccharomyces boulardii, bifidobacterium e uma combinação de outras espécies probióticas.

2. Prebióticos: Prebióticos são pensados ​​para estimular a atividade e crescimento de probióticos no intestino. É por isso que é uma boa ideia também tomar suplementos com prebióticos como frutooligossacarídeos (FOS), inulina, arabinogalactana, pectina cítrica modificada e fibra de alta solubilidade como a casca de psyllium.

3. Terapia Herbal: Existem muitas ervas úteis no tratamento da disbiose natural. Alguns desses remédios à base de plantas incluem óleo de orégano, alho, goldenseal ou berberina, absinto ou absinto chinês; extrato de semente de toranja, tomilho, garra de gato, óleo de arvore do chá, hortelã-pimenta, pau d'arco, Echinacea, erva-doce, cogumelo amalaki reishi, folha de oliveira, canela, mirra, açafrão, bardana, helénio, uva de Oregon, alga marinha e calêndula.

4. Óleos essenciais: Um estudo publicado na revista Alternative Medicine Review, em 2009, descobriu que os óleos essenciais mais promissores para disbiose incluem alcaravia, lavanda, Ajowan e laranja amarga. As ervas que produzem esses óleos são usadas há muito tempo para sintomas gastrintestinais, e os resultados do estudo sugerem que eles não afetarão negativamente a flora intestinal.

Outros óleos essenciais encontrados para ter um impacto positivo no trato gastrointestinal incluem erva-doce, anis estrelado e hortelã-pimenta.

5. Remédios homeopáticos: Existem vários remédios homeopáticos usados ​​para beneficiar o sistema digestivo. Por exemplo, candida albicans é uma preparação homeopática que é útil quando o supercrescimento de Candida é um fator que contribui para a disbiose intestinal. Outros remédios recomendados para inflamação do trato gastrintestinal incluem cantharis, arsenicum album, colocynthis, carbo vegetabilis, nux vomica e pulsatilla.

Uma limpeza para disbiose pode ajudar?

O que poderia ser uma cura para a disbiose? Uma limpeza da disbiose, como uma limpeza de parasita ou uma limpeza de candida, pode ajudar a eliminar parasitas, fungos ou leveduras indesejadas do trato digestivo.

No entanto, é melhor trabalhar com um profissional de saúde qualificado, como um nutricionista holístico ou médico naturopata, com treinamento específico em limpezas. Isso porque, se você executar uma limpeza muito cedo ou sem orientação profissional, poderá piorar o problema.

Algumas ervas em uma limpeza também podem afetar os medicamentos. Portanto, você deve informar seu médico sobre quais medicamentos você usa antes de tentar uma limpeza de disbiose.

Uma limpeza deve ser realizada depois de ter melhorado sua dieta, adicionado probióticos e prebióticos de alimentos e suplementos e começado a melhorar seus hábitos diários, como mudar sua atitude geral e sistemas de crenças, aumentar seus exercícios e movimentos e melhorar seus hábitos de sono. e reduzindo seus níveis de estresse.

Desta forma, seu corpo está pronto para lidar com o estresse de certos alimentos e suplementos projetados para reparar seu intestino.

A seguir estão algumas coisas para saber sobre uma limpeza de parasita e limpeza de candida.

Uma limpeza de parasita: Há um número de variações de uma limpeza de parasita. Vários suplementos que podem ser incluídos são noz preta, absinto, óleo de orégano, óleo de cravo, folha de oliveira, folha de tomilho e extrato de semente de toranja. Uma dieta anti-parasita será semelhante a uma dieta Paleo, excluindo todos os grãos e todo o açúcar.

Principais alimentos na dieta incluem óleo de semente de abóbora, suco de mamão, óleo de coco, alho e cebola e alimentos ricos em probióticos como chucrute ou kimchi.

Uma limpeza de candida: Há também variações de uma limpeza de candida que tem muitas das mesmas recomendações que uma limpeza de parasita, incluindo a eliminação de todos os grãos, açúcares, frutas, amidos e álcool de sua dieta. Também pode incluir suplementos semelhantes aos mencionados acima.

Além disso, uma limpeza de candida pode incluir caldos vegetais, vegetais cozidos no vapor, verduras amargas, alimentos probióticos, cardo de leite e suplementação de vitamina C.

Como prevenir a disbiose

É sempre melhor em primeiro lugar prevenir que uma doença ou condição comece. A seguir estão alguns métodos de prevenção de disbiose intestinal:
  • Coma uma dieta saudável e limpa. Uma dieta anti disbiose conterá muitos vegetais de folhas verdes, carnes orgânicas e evitará totalmente os alimentos processados.
  • Evite álcool ou limite extremamente sua ingestão a uma vez a cada poucos meses. Todas as formas de álcool contêm acetaldeído, levedura e outros ingredientes que prejudicam o equilíbrio de bactérias e outros organismos no trato gastrointestinal.
  • Evite antibióticos e outras drogas como inibidores da bomba de prótons, antiácidos e anti-inflamatórios não esteróides (AINEs). Todas essas drogas inibem o crescimento de bactérias “boas” no trato gastrointestinal e no resto do corpo.

Mudanças de estilo de vida para disbiose

Existem também várias mudanças de estilo de vida que podem ser feitas para ajudar a prevenir e tratar os sintomas da disbiose intestinal. A seguir estão algumas mudanças que você pode fazer para melhorar o equilíbrio de bactérias no trato gastrointestinal:
  • Massagem terapêutica e aromaterapia: O estresse é um fator importante no desenvolvimento de disbiose. A massagem terapêutica pode ajudar a reduzir o estresse e ajudar a desintoxicação para aqueles em tratamento para casos crônicos de candida ou disbiose. Alguns dos melhores óleos essenciais utilizados durante a massagem incluem lavanda, hortelã-pimenta e mirra.
  • Higiene dental: Organismo e supercrescimento bacteriano certamente podem ocorrer na boca. É por isso que é importante manter uma boa higiene dental, como escovar suas gengivas e dentes no mínimo duas vezes por dia. Após a escovação, use também um raspador de língua e enxaguante bucal com óleo essencial antibacteriano.
  • Outros métodos de relaxamento: Outras formas de reduzir o estresse relacionado à disbiose intestinal incluem acupuntura, ioga, exercícios ou meditação.

Disbiose: pontos fundamentais para lembrar

É importante lembrar que o que você coloca em seu corpo pode ter um grande impacto no trato gastrointestinal e nas bactérias intestinais. Além disso, a disbiose pode ocorrer em outras partes do corpo além do intestino.

A cândida e disbiose também podem se espalhar através da relação sexual. É por isso que ambos os parceiros devem ser tratados quando houver suspeita de disbiose, cândida ou outra infecção bacteriana. Além disso, a cura da disbiose é muito individual e o que pode funcionar para uma pessoa pode não funcionar para outra.

É importante trabalhar com um profissional de saúde como um médico naturopata ou nutricionista holística especializada em tratamento de candida ou disbiose.

Fontes:
  • Lipski, E., Digestive Wellness: Strengthen the Immune System and Prevent Disease Through Healthy Digestion (New York: McGraw Hill, 2012), 69-76.
  • Hawrelak, J.A., et al., “Essential oils in the treatment of intestinal dysbiosis: A preliminary in vitro study,” Alternative Medicine Review, December 2009; 14(4): 380-384.
  • Balch, J., et al., Prescription for Natural Cures: A Self-Care Guide for Treating Health Problems with Natural Remedies Including Diet, Nutrition, Supplements, and Other Holistic Methods (Hoboken: John Wiley & Sons, Inc., 2004), 128-133.
  • Lipski, E., Digestive Wellness: Strengthen the Immune System and Prevent Disease Through Healthy Digestion (New York: McGraw Hill, 2012), 28-29, 72.