Benefícios dos Probióticos Para Mulheres: Eles Podem Melhorar a Saúde Feminina?

Os probióticos são um dos produtos naturais mais amplamente pesquisados ​​para a saúde intestinal. Mas o que a ciência diz sobre os benefícios dos probióticos para as mulheres em particular?

Probióticos são as boas bactérias no trato gastrointestinal (GI) projetadas para apoiar o sistema imunológico do seu corpo, absorver nutrientes e fornecer proteção contra distúrbios digestivos, como a síndrome do intestino irritável (SII).

No entanto, os benefícios dos probióticos podem ir muito além da saúde intestinal, especialmente quando se trata da saúde das mulheres.

Os probióticos podem funcionar especificamente restaurando e mantendo a composição saudável do seu bioma intestinal. Estes são os trilhões de micro-organismos que habitam seu trato gastrointestinal.

Os probióticos também podem:
  • Apoiar as barreiras naturais do trato gastrintestinal contra patógenos nocivos (fungos, bactérias, vírus)
  • Liberar subprodutos que desencorajam supercrescimentos prejudiciais
  • Impulsionar sua resposta do sistema imunológico
Quando se trata de probióticos para a saúde feminina, a pesquisa sugere que as bactérias boas podem reduzir a gravidade da vaginose bacteriana e os sintomas de infecção por fungos, beneficiar a saúde da tireóide e tratar muitos problemas relacionados à gravidez e fertilidade.

Benefícios dos Probióticos Para Mulheres: Eles Podem Melhorar a Saúde Feminina?

Benefícios dos Probióticos para Mulheres

Por que tomar suplementos probióticos? Muitas mulheres podem se beneficiar de probióticos, que podem tratar um grande número de condições e problemas de saúde.

No entanto, nesta seção, veremos como os probióticos podem tratar a vaginose bacteriana, infecções fúngicas, endometriose, problemas relacionados à gravidez, câncer, problemas de pele e doenças atópicas.

Os benefícios dos probióticos para as mulheres também podem incluir tratamento para perda de peso, problemas de pele, equilíbrio do pH, problemas hormonais de desequilíbrio e fertilidade e saúde dos ossos.

Probióticos e vaginose bacteriana

A vaginose bacteriana é uma infecção vaginal comum que frequentemente afeta mulheres jovens e de meia-idade. A condição afeta os órgãos reprodutivos de mulheres com vida sexual ativa, mulheres grávidas ou mulheres com sistema imunológico debilitado ou debilitado.

A condição é causada por um desequilíbrio na microflora vaginal. O equilíbrio de bactérias na vagina também muda à medida que as mulheres passam pela menopausa.

A secreção reduzida de estrogênio em mulheres na pós-menopausa aumenta o pH vaginal e depleta as bactérias lactobacilos, e isso resulta em um aumento na colonização vaginal prejudicial com espécies como E. coli (Escherichia coli), Enterobacter e Gardnerella.

O tratamento convencional da vaginose bacteriana é antibiótico; no entanto, isso não só destrói as bactérias ruins, mas também leva à disbiose vaginal, diminuindo a quantidade das boas bactérias vaginais.

É possível inserir probióticos para vaginose bacteriana? Estudos sugerem que certas cepas probióticas podem inibir o crescimento de bactérias que causam vaginose bacteriana.

A administração vaginal de Lactobacillus acidophilus por seis a 12 dias, ou administração oral de L. acidophilus ou Lactobacillus rhamnosus e Lactobacillus fermentum por dois meses, foi encontrada para beneficiar aquelas com vaginose bacteriana.

Qual é o melhor probiótico para vaginose bacteriana? As opções de probióticos para a prevenção de vaginose bacteriana incluem iogurte e um produto lácteo fermentado chamado kefir. Os níveis de bactérias do lactobacilo tendem a ser baixos quando a vagina está seca.

Um estudo publicado no The Journal of Maternal-Fetal & Neonatal Medicine em 2011 descobriu que 100 gramas (g) de iogurte probiótico duas vezes por dia durante uma semana foi eficaz no tratamento da vaginose bacteriana em mulheres grávidas durante o terceiro trimestre.

Pesquisa publicada na revista Menopause em 2014 sugere que a restauração de bactérias vaginais com probióticos do lactobacilo pode melhorar o tratamento e a prevenção da vaginite atrófica. A atrofia é uma condição similar que causa alterações na vagina que facilitam o crescimento das bactérias.

Probióticos e infecções fúngicas

E quanto aos probióticos para sintomas de infecção por fungos? Existem várias condições de saúde categorizadas sob o termo vaginite; no entanto, infecções por fungos vaginais são as mais comuns.

Os sintomas da infecção por fungos vaginal incluem:
  • Dor vaginal
  • Leve sangramento
  • Pele irritada ao redor da abertura da vagina
  • Coceira vaginal
  • Um cheiro normal
  • Dor ao urinar ou ir ao banheiro
  • Corrimento vaginal espesso, branco, grosso e inodoro
Duas bactérias lactobacillus, L. rhamnosus e Lactobacillus reuteri, foram encontradas para ser especialmente eficazes em colonizar a vagina e combater fungos nocivos.

Possíveis probióticos para infecção por fungos incluem alimentos probióticos fermentados, como iogurte, kefir, kombucha e kimchi. Estes são eficazes para melhorar o sistema imunológico e combater o fungo.

Um estudo de 2012 descobriu que uma mistura de mel e iogurte era mais eficaz do que uma droga antifúngica no tratamento de infecções vaginais em mulheres grávidas.

A mistura de iogurte probiótico foi 87,8% eficaz, enquanto o creme antifúngico foi 72,3% eficaz. Um estudo de 2015 também concluiu que uma combinação de iogurte e mel era mais eficaz do que a medicação no tratamento de alguns sintomas de candidíase vaginal.

O declínio natural do estrogênio entre as mulheres na pós-menopausa geralmente resulta em um aumento de micro-organismos ameaçadores, como a cândida.

Um estudo de 2013 sugere que a suplementação com probióticos tem o potencial de reduzir a colonização gastrintestinal de cândida em crianças criticamente doentes que recebem antibióticos. Este benefício pode potencialmente se estender a mulheres adultas.

Probióticos e perda de peso

Certos probióticos também podem ajudar as mulheres a perder peso e manter a perda de peso. Acredita-se que as bactérias intestinais em indivíduos obesos sejam diferentes daquelas encontradas em pessoas magras.

Um estudo publicado no British Journal of Nutrition em 2014 descobriu que probióticos contendo cepas de L. rhamnosus ajudaram as mulheres a perder peso. Mulheres obesas que consumiram probióticos perderam o dobro do peso durante o estudo de 24 semanas do que aquelas que tomaram placebo. No grupo probiótico, as mulheres perderam uma média de 4,4 kg (kg), enquanto as mulheres no grupo placebo perderam 2,6 kg.

Os pesquisadores também observaram uma queda no hormônio regulador do apetite leptina no grupo probiótico, bem como uma concentração reduzida de bactérias intestinais relacionadas à obesidade. Os autores do estudo sugeriram que o probiótico pode prevenir a reação em cadeia que leva ao diabetes tipo 2, intolerância à glicose e obesidade.

Uma revisão sistemática e meta-análise de 25 estudos e 1.931 pessoas publicadas no International Journal of Food Sciences and Nutrition em 2015 descobriu que a ingestão de probióticos por oito semanas ou mais poderia reduzir o peso corporal e o índice de massa corporal (IMC) em indivíduos com excesso de peso.

Probióticos e problemas relacionadas com a gravidez

Os probióticos parecem ser altamente benéficos para problemas relacionados à gravidez. Estudos descobriram probióticos para ser eficaz contra os seguintes problemas de saúde:

Obesidade relacionada à gravidez: As pesquisas mostraram que, um ano após o parto, as mulheres eram menos propensas a ter o tipo perigoso de obesidade, a obesidade central, quando os probióticos foram administrados desde o primeiro trimestre da gravidez. A obesidade central foi encontrada em 25% das mulheres que receberam probióticos com aconselhamento dietético, em comparação com 43% das mulheres que receberam apenas aconselhamento dietético.

Parto prematuro e pré-eclâmpsia: Um estudo publicado na revista BMJ Open em janeiro de 2018 sugeriu que as mulheres que tomam probióticos durante o início da gravidez também podem ter um menor risco de parto prematuro e pré-eclâmpsia - uma complicação gravídica caracterizada por pressão alta e danos a outros órgãos como os rins e o fígado. Os nascimentos prematuros ocorrem antes de 37 semanas e podem levar a incapacidades e doenças nos bebês.

Bactéria Listeria: Mais pesquisas publicadas no Journal of Experimental Medicine em 2017 sugeriram que os probióticos poderiam proteger indivíduos que são particularmente suscetíveis à listeria, como mulheres grávidas. A listeria é uma bactéria encontrada em alimentos, como carne crua, legumes, frutas e alimentos processados.

Exposição a metais pesados: Outro estudo de 2014 mostrou que o iogurte probiótico com bactérias L. rhamnosus protegeu com sucesso as mulheres grávidas contra a exposição ao metal pesado e, especificamente, contra o arsênico e o mercúrio.

Alergias infantis e eczema: Um estudo publicado na revista PLOS Medicine em fevereiro de 2018 descobriu que as mulheres que tomam probióticos durante o final da gravidez podem reduzir o risco de eczema e alergias alimentares.

Diabetes gestacional: Em um estudo de 2015, pesquisadores relataram que a suplementação diária com probióticos com a cepa Lactobacillus salivarius afeta os parâmetros metabólicos e os resultados da gravidez em mulheres com diabetes gestacional - um tipo de diabetes que afeta mulheres grávidas.

Probióticos e endometriose

A endometriose é um problema de saúde comum das mulheres, caracterizado por dor e desconforto na região reprodutiva. É também uma das principais causas de infertilidade.

Estudos sugerem que os desequilíbrios da flora intestinal podem desencadear ou piorar a endometriose, alterando a atividade dos estrogênios e das células-tronco. Ao mesmo tempo, as bactérias Lactobacillus gasseri podem desempenhar um papel fundamental na restauração de um equilíbrio saudável de bactérias.

Um estudo publicado na revista Cytotechnology em 2011 descobriu que a cepa probiótica L. gasseri reduziu significativamente o peso total e a área de superfície dos implantes endometriais em camundongos fêmeas.

Embora a razão exata para o sucesso do probiótico fosse desconhecida, os pesquisadores acreditavam que era devido aos lactobacilos que aumentavam os níveis de uma citocina chamada interleucina-12, que foi encontrada para diminuir o crescimento do tecido endometrial.

Estudos em humanos são necessários para ajudar a determinar a melhor cepa e dose probiótica para o tratamento da endometriose.

Probióticos e Câncer

Bactérias boas também demonstraram apresentar benefícios anticâncer e antitumorais. Como resultado, os probióticos são pensados ​​para desempenhar um papel na prevenção do câncer.

Foi comprovado que os probióticos são eficazes na prevenção de efeitos colaterais adversos entre pacientes com câncer submetidos a quimioterapia.

Pesquisa publicada na revista Applied and Environmental Microbiology em 2016 descobriu que as bactérias boas, lactobacillus e Streptococcus thermophilus, são mais abundantes nos seios saudáveis; portanto, esses probióticos podem estar protegendo as mulheres contra o câncer de mama. Por outro lado, mulheres com câncer de mama tinham níveis elevados de E. coli e Staphylococcus epidermidis.

Para o estudo, o tecido mamário foi obtido de 58 mulheres submetidas a mastectomias ou lumpectomias, com 45 das pacientes com tumores cancerígenos e 13 com tumores benignos. O tecido mamário também foi obtido de mais 23 mulheres submetidas a cirurgia de aumento ou redução dos seios.

Probióticos e pele

A suplementação probiótica também pode beneficiar a saúde da pele e certas condições da pele em mulheres. Por exemplo, a pele propensa a rosácea ou acne mostrou melhora quando administrado probióticos diariamente.

Pesquisa publicada no Journal of Dairy Science em 2014 descobriu que o leite fermentado com bactérias probióticas Lactococcus lactis iria melhorar significativamente o conteúdo de sebo nas bochechas de mulheres com doenças de pele. Como tal, os probióticos são pensados ​​para beneficiar a pele em mulheres jovens.

Probióticos e pH Equilibrado

Há também benefícios relatados de probióticos para o equilíbrio do pH das mulheres, o que pode incluir ajudar a combater infecções fúngicas e melhorar a saúde geral. As bactérias boas parecem ajudar as mulheres a manter o equilíbrio ideal de pH, bem como um equilíbrio saudável de microrganismos benéficos na vagina.

Como resultado, os probióticos podem potencialmente tratar infecções por candida. Isto é provavelmente devido ao ácido acético e ácido láctico produzido pelas boas bactérias.

Tomar probióticos diários pode permitir que as mulheres mantenham os níveis de pH intestinal equilibrados, o que também restauraria a acidez no corpo. Isto é o que acaba por impedir o crescimento excessivo de candida e outras leveduras.

As infecções fúngicas vaginais acontecem quando o pH da área vaginal se torna mais ácido; no entanto, os probióticos trabalham para restaurar e manter o pH vaginal em 4,2.

O que leva ao desequilíbrio do pH vaginal? Os fatores de risco incluem pílulas anticoncepcionais e contraceptivos espermicidas, relação sexual, uso de antibióticos e esteróides orais, obesidade, diabetes e câncer e tratamentos contra o câncer.

Probióticos e desequilíbrio hormonal

Hormônios como o estrogênio são mensageiros químicos que afetam vários aspectos da saúde e vários órgãos e glândulas, incluindo as supra-renais, a tireóide e os ovários. Probióticos são capazes de reparar seu revestimento intestinal e também podem equilibrar seus hormônios no processo.

O alimento não digerido pode vazar pelo intestino e entrar na corrente sanguínea. Isso pode afetar especialmente glândulas como a tireóide, que é muito suscetível a um aumento da inflamação.

Pessoas com intestino gotejante são conhecidas por terem uma deficiência probiótica. Além disso, os probióticos podem melhorar a regulação e a produção de hormônios-chave, como leptina, grelina e insulina.

Probióticos e Fertilidade

Como mencionado anteriormente, os probióticos podem beneficiar a endometriose, que é uma das principais causas de infertilidade. Embora leveduras e bactérias indesejadas possam afetar a fertilidade de uma mulher, várias cepas probióticas também podem aliviar a inflamação temporária. Este efeito tem o potencial de tratar problemas de gravidez e apoiar a fertilidade saudável.

As bactérias Lactobacillus, em particular, têm sido relacionadas com a melhoria da fertilidade, a saúde vaginal geral e a proteção contra o nascimento prematuro.

Foi descoberto que o exame do microbioma vaginal é útil para diagnosticar bactérias vaginais anormais e prever os resultados da gravidez em tratamento de fertilização in vitro.

O tratamento com probióticos no lugar da terapia antimicrobiana também serve para restaurar bactérias vaginais saudáveis, que podem promover a fertilidade. Um estudo descobriu que as dosagens de bactérias probióticas do lactobacilo por 10 dias consecutivos resultaram em camundongos férteis.

Probióticos e ossos

A osteoporose é uma das principais doenças ósseas associadas à menopausa. A fratura de quadril causada pela osteoporose é um dos problemas mais sérios entre as mulheres com mais de 50 anos.

Estudos descobriram que o consumo de leite fermentado Lactobacillus helveticus reduz a reabsorção óssea em mulheres pós-menopáusicas. O cálcio sérico ionizado, cálcio total, fosfato e cálcio urinário foram maiores naqueles que consumiram o leite fermentado em comparação com um grupo controle.

Um estudo publicado no Journal of Clinical Investigation em 2016 descobriu que os suplementos probióticos protegiam os camundongos fêmeas da perda de densidade óssea que ocorre após a remoção dos ovários. Para o estudo, camundongos fêmeas foram tratados duas vezes por semana com o L. rhamnosus probiótico.

Um mês após a remoção do ovário, os ratos não tratados com probióticos haviam perdido metade de sua densidade óssea; no entanto, a densidade óssea em camundongos tratados com probióticos permaneceu a mesma.

Isto sugere que os probióticos podem ser benéficos no tratamento da osteoporose pós-menopáusica. Nos camundongos sem seus ovários removidos, os probióticos levaram a um aumento na densidade óssea.

Probióticos e Doenças Atópicas

Acredita-se que as doenças atópicas sejam o resultado de uma resposta imune desequilibrada aos nossos alérgenos ambientais ou alimentares. Os três envolvidos aqui são rinite alérgica (febre do feno), dermatite atópica e asma.

O fato de existirem mais doenças atópicas nos países desenvolvidos em comparação com os países subdesenvolvidos pode ser o resultado da redução da pressão microbiana ou da exposição a micróbios durante a infância.

Probióticos tomados durante a gravidez foram mostrados para conferir proteção contra a doença atópica em recém-nascidos. Suplementos com “Bifidobacterium lactis” ou “Lactobacillus GG” reduziram a extensão e a gravidade do eczema atópico em bebês e crianças pequenas.

Um estudo de 2006 descobriu que os probióticos são eficazes no tratamento de alergias causadas pelo pólen, se você pode acreditar! O mesmo vale para alergias causadas por ácaros.

Em resumo, evidências científicas sugerem que os probióticos podem prevenir ou tratar uma variedade de problemas de saúde da mulher, como osteoporose pós-menopausa, problemas de fertilidade e endometriose, doenças atópicas, desequilíbrio hormonal, desequilíbrio de pH e infecções vaginais, doenças de pele, câncer de mama, vaginose, problemas com perda de peso e problemas relacionados à gravidez.

Alguns probióticos que se mostraram promissores no tratamento de problemas de saúde das mulheres incluem L. gasseri, S. termófilos, L. helveticus, L. reuteri, L. lactis e L. rhamnosus.

Quais são os melhores probióticos para mulheres?

Os melhores probióticos para as mulheres incluem alimentos probióticos e suplementos probióticos de alta potência. Vamos dar uma olhada no que são considerados os melhores probióticos femininos abaixo:

Legumes Fermentados

Legumes fermentados incluem kimchi e chucrute. O chucrute é rico em ácidos orgânicos, que suportam o crescimento de boas bactérias. O kimchi, por outro lado, é um alimento probiótico fermentado que inclui repolho e outros legumes, como couve, rabanete e cenoura.

Picles lacto-fermentados são também um vegetal probiótico que beneficia a sua saúde.

Probióticos à base de laticínios

Kefir, iogurte e leite cru estão entre os produtos lácteos probióticos. Semelhante ao iogurte, o kefir é um probiótico à base de leite. O Kefir é criado a partir de leite fermentado, enquanto o iogurte é um bom alimento probiótico quando se trata de animais crus, alimentados com capim.

Probióticos à base de soja

Natto é um prato japonês que contém soja fermentada, que são extremamente altas no probiótico Bacillus subtilis. O Missô também é feito de soja fermentada.

Bebidas fermentadas

A Kvass é uma bebida fermentada usada desde a antiguidade na Europa Oriental. É feito de cevada fermentada ou centeio, mas nos anos mais recentes, foi feito a partir de frutas, beterraba ou outros vegetais de raiz, como cenouras.

O kefir de coco é outra bebida probiótica e uma opção de kefir sem lactose feita a partir do suco de cocos novos com grãos de kefir. A Kombucha é um chá preto fermentado que é produzido usando SCOBY (colônia simbiótica de bactérias e leveduras).

Suplementos Probióticos

Os suplementos probióticos para mulheres estão disponíveis em forma de cápsula e comprimido. Consulte um profissional de saúde para uma recomendação probiótica, dosagem e potência para tratar seu problema de saúde específico.

Considerações finais sobre probióticos para mulheres

Consumir suplementos probióticos e alimentos probióticos regularmente pode ajudar a proteger a saúde das mulheres de várias condições, incluindo câncer de mama, infertilidade, vaginose bacteriana, osteoporose pós-menopausa e endometriose.

Quais são os melhores probióticos para mulheres? Os suplementos probióticos diários estão entre os melhores probióticos para mulheres. Alimentos probióticos para incluir na dieta são kvass, kefir de coco, kombucha, natto, missô, kefir, iogurte, leite cru, kimchi, chucrute e picles lacto fermentados.

É uma boa ideia consultar um nutricionista holístico e um profissional de saúde para obter conselhos sobre como usar suplementos probióticos e alimentos probióticos.

Fontes:

Kim, J.M., et al., “Probiotics in the Prevention and Treatment of Postmenopausal Vaginal Infections: Review Article,” Journal of Menopausal Medicine, Dec. 2017; 23(3): 139-145, doi: 10.6118/jmm.2017.23.3.139.
Brotman, R.M., et al., “Association between the vaginal microbiota, menopause status, and signs of vulvovaginal atrophy,” Menopause, May 2014; 21(5): 450-458, doi: 10.1097/GME.0b013e3182a4690b.
Falagas, M., et al., “Probiotics for the treatment of women with bacterial vaginosis,” Clinical Microbiology and Infection, July 2007; 13(7): 657-664, PMID: 17633390.
Hantoushzadeh, S., et al., “Comparative efficacy of probiotic yoghurt and clindamycin in treatment of bacterial vaginosis in pregnant women: A randomized clinical trial,” The Journal of Maternal-Fetal & Neonatal Medicine, Aug. 2011; 25(7): 1021-1024, doi: 10.3109/14767058.2011.614654.
Abdelmonem, A.M., et al., “Bee-honey and yogurt: a novel mixture for treating patients with vulvovaginal candidiasis during pregnancy,” Archives of Gynecology Obstetrics, July 2012; 286(1): 109-114, doi: 10.1007/s00404-012-2242-5.
Kumar, S., et al., “Evaluation of efficacy of probiotics in prevention of candida colonization in a PICU-a randomized controlled trial,” Critical Care Medicine, Feb. 2013; 41(2): 565-572, doi: 10.1097/CCM.0b013e31826a409c.
Darvishi, M., et al., “The Comparison of vaginal cream of mixing yogurt, honey and clotrimazole on symptoms of vaginal candidiasis,” Global Journal of Health Sciences, April 2015; 7(6): 108-116, doi: 10.5539/gjhs.v7n6p108.
Sanchez, M., et al., “Effect of Lactobacillus rhamnosus CGMCC1.3724 supplementation on weight loss and maintenance in obese men and women,” British Journal Nutrition, April 2014; 111(8): 1507-1519, doi: 10.1017/S0007114513003875.
Zhang, Q., et al., “Effect of probiotics on body weight and body-mass index: a systematic review and meta-analysis of randomized, controlled trials,” International Journal of Food Sciences and Nutrition, Aug. 2015; 67(5): 571-580, doi: 10.1080/09637486.2016.1181156.
“Probiotics May Help Ward Off Obesity, Study in Pregnant Women Suggests,” ScienceDaily, May 8, 2009;https://www.sciencedaily.com/releases/2009/05/090507055504.htm, last accessed April 27, 2018.
Nordqvist, M., et al., “Timing of probiotic milk consumption during pregnancy and effects on the incidence of preeclampsia and preterm delivery: a prospective observational cohort study in Norway,” BMJ Open, January 2018; 8(1):e018021, doi: 10.1136/bmjopen-2017-018021.
Becattini, S., et al., “Commercial microbes provide first line defense against Listeria monosytogenes infection,” Journal of Experimental Medicine, July 2017; 214(7): 1973-1989, doi: 10.1084/jem.20170495.
Bisanz, J., et al., “Randomized Open-Label Pilot Study of the Influence of Probiotics and the Gut Microbiome on Toxic Metal Levels in Tanzanian Pregnant Women and School Children,” mBio, Oct. 7, 2014; 5(5):e01580-14, doi: 10.1128/mBio.01580-14.
Garcia-Larsen, V., et al., “Diet during pregnancy and infancy and risk of allergic or autoimmune disease: A systematic review and meta-analysis,” PLOS Medicine, Feb. 28, 2018; 15(2):e1002507, doi: 10.1371/journal.pmed.1002507.
“Impact of probiotics on metabolic health in women with gestational diabetes,” ScienceDaily, Feb. 2, 2015;https://www.sciencedaily.com/releases/2015/02/150202105735.htm, last accessed April 27, 2018.
“Endometriosis and Diet” What You Can Do About It In 2018,” Diet vs. Disease; https://www.dietvsdisease.org/endometriosis-diet/, last accessed April 27, 2018.
Itoh, H., et al., “Lactobacillus gasseri OLL2809 inhibits development of ectopic endometrial cell in peritoneal cavity via activation of NK cells in murine endometriosis model,” Cytotechnology, March 16, 2011; 63(2): 205-210, doi: 10.1007s10616-011-9343-z.
Urbaniak, C., et al., “The Microbiota of Breast Tissue and Its Association with Breast Cancer,” Applied and Environmental Microbiology, July 2016; 82(16): 5039-5048, doi: 10.1128/AEM.01235-16.
Kimoto-Nira, H., et al., “Effects of ingesting milk fermented by Lactococcus lactis H61 on skin health in young women: a randomized double-blind study,” Journal of Dairy Science, September 2014; 97(9): 5898-5903, doi: 10.3168/jds.2014-7980.
“Could probiotics be the next big thing in acne and rosacea treatments,” American Academy of Dermatology, January 30, 2014;https://www.aad.org/media/news-releases/could-probiotics-be-the-next-big-thing-in-acne-and-rosacea-treatments, last accessed April 27, 2018..
“How Your Probiotic Therapy Helps Alkalize Your Body,” 1MD; https://1md.org/article/probiotics-alkaline-body-1md, last accessed April 27, 2018.
“Fertility and the Microbiome: How Probiotics Can Help You Conceive,” Hyperbiotics; https://www.hyperbiotics.com/blogs/recent-articles/fertility-and-the-microbiome-how-probiotics-can-help-you-conceive, last accessed April 27, 2018.
“The Vaginal Microbiome: Its Role in Fertility, Pregnancy, & Preterm Labor Risk,” NDNR, Dec. 28, 2016; http://ndnr.com/womens-health/the-vaginal-microbiome-its-role-in-fertility-pregnancy-preterm-labor-risk/, last accessed April 27, 2018.
Parvaneh, K., et al., “Effect of Probiotics Supplementation on Bone Mineral Content and Bone Mass Density,” The Scientific World Journal, 2014, ID: 595962, doi: 10.1155/2014/595962.
Li, J.Y., et al., “Sex steroid deficiency-associated bone loss is microbiota dependent and prevented by probiotics,” Journal of Clinical Investigation, June 1, 2016; 126(6): 2049-2063, doi: 10.1172/JC186062.

Postar um comentário

0 Comentários